Escolha as suas informações

Von der Leyen: "Nada melhor que começar a trabalhar no dia do Tratado de Lisboa"
Economia 2 min. 01.12.2019 Do nosso arquivo online

Von der Leyen: "Nada melhor que começar a trabalhar no dia do Tratado de Lisboa"

Von der Leyen: "Nada melhor que começar a trabalhar no dia do Tratado de Lisboa"

Foto: AFP
Economia 2 min. 01.12.2019 Do nosso arquivo online

Von der Leyen: "Nada melhor que começar a trabalhar no dia do Tratado de Lisboa"

"A Europa é também uma promessa, a Europa é futuro, algo que temos todos de construir, tijolo a tijolo, dia a dia”, afirmou a nova presidente da Comissão Europeia.

A presidente da nova Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, comentou hoje, em Bruxelas, que “não poderia haver melhor dia para começar a trabalhar” do que no décimo aniversário da entrada em vigor do Tratado de Lisboa.

Von der Leyen, o novo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, e a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, juntaram-se hoje na Casa da História Europeia, em Bruxelas, para assinalar, numa curta cerimónia, a entrada em funções do novo executivo comunitário, mas também dos 10 anos do Tratado de Lisboa, que todos foram unânimes em elogiar, considerando que capacitou a União para enfrentar os novos desafios.

“Penso que não poderia haver melhor dia para começar o trabalho do que este aniversário. Nós somos os guardiões dos Tratados e, de uma forma muito especial, nós somos os custodiantes do Tratado de Lisboa”, declarou a presidente do executivo comunitário, que assumiu a responsabilidade conjunta dos novos líderes das instituições da UE de “deixar uma União mais forte do que aquela herdada”.

Referindo-se ao local da cerimónia, a Casa da História Europeia, Von der Leyen observou que este museu “mostra o tesouro herdado, um continente em paz, com direitos e liberdades, um mercado único com oportunidades económicas sem precedentes”, e disse ser dever de todos “preservar este tesouro”.

“Mas a Europa não é só uma herança, a Europa é também uma promessa, a Europa é futuro, algo que temos todos de construir, tijolo a tijolo, dia a dia”, sublinhou, deixando então a garantia de que todos trabalharão nos próximos anos no sentido de ir ao encontro dos “sonhos e aspirações dos europeus”.

Também hoje a iniciar funções, o novo presidente do Conselho Europeu sublinhou na sua intervenção que o Tratado de Lisboa “tornou possível muitos progressos na União Europeia”, disponibilizando “novas ferramentas para fazer face aos novos desafios”, e, passados 10 anos da sua entrada em vigor, é mais atual do que nunca.

Charles Michel comentou que “uma importante reforma” do Tratado assinado na capital portuguesa em dezembro de 2007 permite enfrentar com outra força o grande desafio do combate às alterações climáticas, pois “deu à União Europeia uma nova personalidade legal”, permitindo-se assinar como um todo “tratados internacionais vitais, como o Acordo de Paris” sobre o clima.

“Hoje celebramos um novo início, com grande entusiasmo e esperança. Inspiremo-nos neste tratado para levar a cabo as reformas positivas necessárias para ir ao encontro das expectativas, justas e ambiciosas, dos cidadãos europeus”, disse o presidente do Conselho Europeu, figura institucional criada precisamente pelo Tratado de Lisboa.

Lusa


Notícias relacionadas

O dia para salvar a Europa ainda não foi ontem
Quatro países bloquearam as chamadas coronabonds no Conselho Europeu. E a criação de um Plano Marshall para evitar a depressão económica foi adiada. António Costa, chamou de “repugnante” as declarações do ministro das Finanças holandês pedindo que Espanha seja investigada por não ser capaz de fazer face ao desafio económico provocado pela pandemia.