Escolha as suas informações

Vírus contagia economia e mercados financeiros
Economia 2 min. 29.01.2020 Do nosso arquivo online

Vírus contagia economia e mercados financeiros

Vírus contagia economia e mercados financeiros

Foto: AFP
Economia 2 min. 29.01.2020 Do nosso arquivo online

Vírus contagia economia e mercados financeiros

Ainda é cedo para perceber o impacto total que o vírus está a ter na segunda maior economia mundial, mas é inegável o efeito no turismo e no consumo.

O coronavírus está a espalhar-se e a ameaçar a ténue estabilização da economia mundial, conseguida nas últimas semanas com a assinatura de primeira fase do acordo comercial entre os Estados Unidos e a China. Ainda é cedo para perceber o impacto total que o vírus está a ter na segunda maior economia mundial, mas é inegável o efeito no turismo e no consumo.

As viagens para a China estão a ser desaconselhadas por todo o mundo e mesmo no país, os cidadãos são aconselhados a saírem o menos possível, prejudicando desta forma o consumo, seja em grandes superfícies, seja em pequenos negócios. A produção industrial também deverá ser afetada, com efeitos na China e nos países que dependem da procura chinesa.


Coronavírus. Número de infetados na China supera epidemia da SARS que fez 774 mortos
As autoridades de saúde chinesas anunciaram 5.974 casos confirmados de contaminação na China continental, mais 1.400 em relação a terça-feira.

De acordo com a Bloomberg, empresas como a Honda Motor e a Nissan estão a evacuar trabalhadores das áreas afetadas e os operadores de parques temáticos, de cinemas, cadeias de lojas e de restaurantes estão a suspender projetos para proteger os seus funcionários. Wuhan – o epicentro da propagação do vírus – sentiu o maior impacto. Com uma economia de mais de 195 mil milhões de euros (vale 1,6% do Produto Interno Bruto chinês), é também um importante centro de logística, automóvel e de aço.

Não é só na China, que o coronavírus está a ter consequências. Os mercados financeiros de todo o mundo têm negociado no vermelho e os investidores estão a privilegiar ativos menos voláteis. O ouro tem sido um dos valores seguros mais procurados e a onça atingiu, na passada segunda-feira, máximos desde 2013, ao ultrapassar os 1.585 dólares. Analistas citados pela agência Efe explicaram que a cotação do ouro está a ser condicionada pela incerteza gerada pela propagação do coronavírus e as consequências que esta pode ter a nível sanitário e económico.


Informação sobre o novo vírus no aeroporto de Berlim.
Coronavírus. Alemanha confirma quatro casos
O Ministério da Saúde da Baviera informou que os três novos casos se somam ao contágio confirmado na segunda-feira à noite, o de um doente alemão que foi o primeiro europeu infetado pelo vírus sem ter estado na China.

No entanto, analistas do JP Morgan afirmam à Bloomberg que esta pode ser uma boa oportunidade para comprar ações, acrescentando que, no passado, quanto mais as ações caíam devido a receios semelhantes, mais recuperavam depois. O Governo chinês decidiu prolongar o período de férias do Ano Novo Lunar, que deveria terminar na quinta-feira, para tentar limitar a movimentação da população. Os mercados chineses estarão encerrados até quinta-feira, mas este período também poderá ser prolongado.

P.C.S. com agências


Notícias relacionadas