Escolha as suas informações

UEL defende que indexação salarial vai prejudicar empresas
Economia 13.10.2021
Salários

UEL defende que indexação salarial vai prejudicar empresas

Salários

UEL defende que indexação salarial vai prejudicar empresas

Foto: Marc Wilwert
Economia 13.10.2021
Salários

UEL defende que indexação salarial vai prejudicar empresas

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Os representantes do patronato referem, em comunicado, que, apesar de o aumento automático de 2,5% nos salários e pensões, a partir de 1 de outubro, melhorar o poder de compra dos cidadãos, vai prejudicar a competitividade das empresas.

A União das Empresas Luxemburguesas (UEL) está contra a indexação salarial e das pensões, anunciada recentemente pelo Instituto Nacional de Estatística e confirmada pelo Governo.

Numa primeira reação, os representantes do patronato referem em comunicado que, apesar de o aumento automático de 2,5% nos salários e pensões, a partir de 1 de outubro, melhorar o poder de compra dos cidadãos, vai prejudicar a competitividade das empresas.


Luxemburgo. Indexação dos salários pode acontecer antes do Natal
Inicialmente, esperava-se que a próxima indexação salarial ocorresse em junho de 2022 mas, devido ao aumento da inflação prevista para 2021, pode acontecer ainda este ano.

A UEL explica que o custo salarial vai aumentar, atingindo os 800 milhões de euros anuais. Ao mesmo tempo diz que haverá uma "inflação significativa" nos próximos meses (fazendo referência ao aumento dos preços dos produtos energéticos), que vai afetar sobretudo a rentabilidade das empresas já fortemente impactadas pela crise.

Os responsáveis criticam ainda o facto de as empresas no Luxemburgo estarem a competir com empresas de países vizinhos que "não estão sujeitas às mesmas restrições, tais como indexações salariais ou adaptações ao salário mínimo".

A UEL defende ainda que a indexação vai "aumentar as desigualdades sociais", já que os que ganham mais vão beneficiar de maiores aumentos salariais.

Como solução, o organismo que representa o patronato propõe uma indexação automática dos salários limitada "a um certo nível de salários", para proteger os mais desfavorecidos.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas