Escolha as suas informações

UE quer acabar com infrações das gigantes tecnológicas
Economia 3 min. 23.11.2021
Lei dos Mercados Digitais

UE quer acabar com infrações das gigantes tecnológicas

Lei dos Mercados Digitais

UE quer acabar com infrações das gigantes tecnológicas

Foto: AFP
Economia 3 min. 23.11.2021
Lei dos Mercados Digitais

UE quer acabar com infrações das gigantes tecnológicas

Lusa
Lusa
A comissão do Mercado Interno do Parlamento Europeu aprovou esta terça-feira, 23, a sua posição sobre a nova Lei dos Mercados Digitais, querendo acabar com práticas desleais das 'gigantes' tecnológicas e impor multas até 20% do volume de negócios anual.

Numa reunião realizada esta manhã, a comissão parlamentar do Mercado Interno e da Proteção dos Consumidores deu 'luz verde' (com 42 votos a favor, dois contra e uma abstenção) à sua posição relativamente à proposta de Lei dos Mercados Digitais, apresentada pela Comissão Europeia há um ano.

Esta nova legislação - que ainda terá de ser aprovada no plenário da assembleia europeia em dezembro e depois negociada com o Conselho - tem em vista a criação de regras sobre o que as empresas com estatuto de 'gatekeeper' (intermediárias de conteúdos, como a Google) são ou não autorizadas a fazer na União Europeia (UE).

O objetivo desta comissão parlamentar é que seja criada uma "lista negra com certas práticas de grandes plataformas", visando ainda permitir "à Comissão realizar investigações de mercado e sancionar comportamentos não conformes".

De forma a evitar "condições injustas às empresas e aos consumidores", os eurodeputados defendem desde logo a inclusão de requisitos adicionais sobre a utilização de dados para publicidade direcionada, isto a menos que haja um consentimento claro e informado ao abrigo do Regulamento Geral de Proteção de Dados.

Nos casos de desrespeito pelas normas europeias, a Comissão deve, na visão dos parlamentares, impor multas "não inferiores a 4% e não superiores a 20%" do volume de negócios total ao nível mundial no exercício financeiro anterior.

O executivo comunitário deve ainda ter poderes para aplicar "soluções estruturais ou comportamentais" nos casos de incumprimentos sistemáticos, bem como de rejeitar ou impor remédios perante grandes aquisições para prevenir danos ao mercado interno.


Google chega a acordo com editores alemães para pagamento de direitos de autor
A novidade vem no seguimento de uma lei introduzida pelo Executivo alemão, em junho, que garante aos editores direitos adicionais sobre os seus conteúdos. Entre os acordos que fez estão os relativos aos semanários Der Spiegel e Die Zeit.

Os eurodeputados pretendem também que o regulamento proposto se aplique às "grandes empresas que prestam os chamados serviços de plataforma de base mais propensos a práticas desleais", isto é, serviços de intermediação 'online', redes sociais, motores de busca, sistemas operativos e serviços de publicidade em linha.

Para definir o que são intermediárias de conteúdos, as tecnológicas devem prestar um serviço de plataforma central em pelo menos três países da UE e ter pelo menos 45 milhões de utilizadores finais mensais, bem como mais de 10 mil utilizadores empresariais, especificam os eurodeputados.

Devem, ainda, ter um volume de negócios anual no Espaço Económico Europeu superior a oito mil milhões de euros e uma capitalização de mercado de 80 mil milhões de euros.

Após a apresentação da proposta pela Comissão Europeia em dezembro do ano passado, tem estado em discussão entre os colegisladores europeus esta nova Lei dos Mercados Digitais, para precisamente regular o mercado digital, no qual atualmente intermediárias de conteúdos (como a Google) conseguem obter uma quota de mercado superior à de entidades de menor dimensão.


Adele pediu ao Spotify para tirar botão de 'shuffle' do seu álbum. O Spotify retirou em todos
A cantora britânica, acabada de lançar "30", o seu quarto disco, pediu ao Spotify para que ocultasse a opção de colocar as músicas do seu novo álbum a serem escutadas de forma aleatória.

O pacote digital proposto pelo executivo comunitário engloba também uma nova Lei dos Serviços Digitais, que define que o que é crime 'offline' também o é no 'online', como incitamento ao ódio e o racismo, e que só será votada pelos eurodeputados numa futura reunião. Também aqui, estão previstas multas pesadas para as tecnológicas que não o cumprirem.

A estimativa da Comissão Europeia é que este pacote digital esteja em vigor em meados do próximo ano, dado o tempo necessário para as negociações.

Depois do aval e da esperada aprovação do Parlamento Europeu em plenário em dezembro, começam então as negociações finais com o Conselho (os Estados-membros da UE), que será presidido por França no primeiro semestre de 2022.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas