Escolha as suas informações

UE aprova abertura de negociações para acordo comercial "limitado" com EUA
Economia 16.04.2019 Do nosso arquivo online

UE aprova abertura de negociações para acordo comercial "limitado" com EUA

UE aprova abertura de negociações para acordo comercial "limitado" com EUA

Foto: Ingo Wagner/dpa
Economia 16.04.2019 Do nosso arquivo online

UE aprova abertura de negociações para acordo comercial "limitado" com EUA

A decisão foi tomada esta segunda-feira em Kirchberg. Em causa está um novo acordo, limitado a bens industriais.

O Luxemburgo e os restantes Estados-membros da União Europeia deram, esta segunda-feira, 'luz verde' à abertura de negociações comerciais com os Estados Unidos.

Reunidos na cidade do Luxemburgo, os ministros europeus da Agricultura e Pescas aprovaram, esta segunda-feira, a abertura de negociações com Washington com vista a um futuro acordo, de alcance muito menor do que o Tratado Transatlântico. Na prática, limitado a bens industriais, tal como proposto pela Comissão Europeia, em janeiro.

A decisão não foi, contudo, consensual. A vizinha França foi o único país a votar contra a abertura de negociações. Já a também vizinha Bélgica absteve-se.

No entanto, a medida foi aprovada, já que as decisões sobre matérias comerciais na UE são tomadas por maioria qualificada, não necessitando de unanimidade.

Este novo acordo comercial visa pôr fim às tensões com a Casa Branca que ameaça taxar a indústria automóvel europeia, setor vital para a economia alemã.

Isto depois de a polémica parceria transatlântica, acordada em 2013, ter caído por terra na sequência da eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos.

O novo acordo que as partes deverão começar a negociar assim que os Estados Unidos adotarem o seu mandato negocial, vai abranger então somente bens industriais, deixando de fora os setores da agricultura, serviços e mercados públicos.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O acordo reduz as tensões entre os governos norte-americanos e chinês, removendo algumas sanções económicas dos EUA em troca de uma intensificação de compras de produtos agrícolas e energéticos norte-americanos por parte da China.