Escolha as suas informações

Trabalhadores transfronteiriços franceses são os menos bem pagos
Economia 02.08.2019

Trabalhadores transfronteiriços franceses são os menos bem pagos

Trabalhadores transfronteiriços franceses são os menos bem pagos

Foto: Pierre Matgé
Economia 02.08.2019

Trabalhadores transfronteiriços franceses são os menos bem pagos

Estes recebem, em média, menos 10.500 euros do que os belgas, que são os mais bem remunerados.

Os trabalhadores fronteiriços franceses são os menos bem pagos, comparativamente com os alemães e com os belgas. Por norma, os transfronteiriços franceses trabalham em setores menos bem remunerados como a restauração e hotelaria (Horesca), comércio e o trabalho temporário (intérim).

Os dados, que se referem a 2018, fazem parte de um estudo do instituto luxemburguês de estatística (Statec) publicado hoje. O documento revela que os fronteiriços franceses recebem, em média, 48.845 euros anuais, menos 10.500 euros do que os belgas que atravessam todos os dias a fronteira para trabalhar no Luxemburgo, e que ganham 59.476 euros por ano. Já os alemães recebem 57.205 euros.

Atualmente, o Grão-Ducado conta com 192.070 trabalhadores fronteiriços. Os franceses estão em maioria, representando 52% daquele bolo, seguindo-se os alemães e belgas, com um peso de 24% cada um. Entre 2005 e 2018, o número de fronteiriços no Luxemburgo tem aumentado em média 3,7% por ano. O Statec revela que a crise económica de 2007 e 2008 teve apenas um efeito limitado. Nos últimos dois anos, o ritmo na entrada de transfronteiriços acelerou: de 3,7% em 2017 e 4,5% em 2018.

No total, o Luxemburgo pagou 11,5 mil milhões de euros aos mais de 192 mil transfronteiriços que trabalham no país, muito menos do que os 1,6 mil milhões que recebeu dos luxemburgueses que atravessam a fronteira para trabalhar. Este número é diminuto e não atinge as 12.800. Mas, apenas 1.501 deixam todas as manhãs as suas casas no Luxemburgo para ir trabalhar para um dos três países vizinhos. Os restantes 11.282 trabalham nas instituições europeias, como a Comissão Europeia ou o Tribunal de Contas Europeu.


Notícias relacionadas

Os trabalhadores no Luxemburgo estão cada vez mais velhos
O número de trabalhadores jovens está a diminuir no Luxemburgo. A idade média dos trabalhadores no Grão-Ducado é agora de 41 anos. A conclusão é de um estudo feito pelo Instituto de Investigação Sócio-Economica do Luxemburgo (Liser, na sigla em inglês) que fez a fotografia sobre a situação dos trabalhadores assalariados no país, entre 1994 e 2018. O retrato é o de uma população ativa envelhecida.
Fronteiriços franceses são menos bem pagos do que os alemães ou belgas
Os trabalhadores fronteiriços franceses são os menos bem pagos, comparativamente com os alemães e com os belgas. O motivo? É que, por norma, os fronteiriços franceses trabalham em setores menos bem remunerados como a restauração e hotelaria (Horesca), comércio e o trabalho temporário (intérim).
Compensa ser fronteiriço?
Têm rendimentos superiores aos residentes no seu país de residência, mas mais baixos do que os luxemburgueses. Têm casas mais baratas, mas passam mais tempo no trânsito. O Banco Central do Luxemburgo e o instituto de investigação socioeconómica tiraram uma fotografia a quem vive na Bélgica, França ou Alemanha e escolheu o Luxemburgo para trabalhar.