Escolha as suas informações

Tensões de preços do petróleo devem abrandar com aumento da produção dos EUA
Economia 16.11.2021
Agência Internacional de Energia

Tensões de preços do petróleo devem abrandar com aumento da produção dos EUA

Agência Internacional de Energia

Tensões de preços do petróleo devem abrandar com aumento da produção dos EUA

Foto: dpa-tmn
Economia 16.11.2021
Agência Internacional de Energia

Tensões de preços do petróleo devem abrandar com aumento da produção dos EUA

Lusa
Lusa
O consumo de gasolina será reforçado à medida que as restrições às viagens internacionais são levantadas, refere a Agência Internacional de Energia.

A Agência Internacional de Energia (AIE) acredita que as tensões de preços no mercado petrolífero podem abrandar com um aumento da produção nos Estados Unidos maior do que o previsto.

No relatório mensal publicado esta terça-feira, a AIE mantém as previsões para a procura mundial de petróleo praticamente inalteradas, com um aumento de 5,5 milhões de barris por dia este ano e de 3,4 milhões em 2022.

Por um lado, constata o reforço do consumo de gasolina à medida que as restrições às viagens internacionais são levantadas, mas ao mesmo tempo tem em conta a nova vaga de covid-19 que afeta a Europa e a atividade industrial mais fraca do que o previsto, bem como o efeito dissuasor dos preços elevados dos barris a pesarem em sentido contrário.


ULC pede ao Governo congelamento do imposto de CO2 sobre os combustíveis
O organismo de defesa dos consumidores do Luxemburgo apela ao Executivo que não aumente, em janeiro, a taxa sobre as emissões de carbono face à subida de preços da gasolina e do gasóleo, no país.

A principal novidade, segundo a agência, é o aumento da produção mundial de petróleo, que em outubro aumentou em 1,4 milhões de barris por dia para 97,7 milhões.

Para este aumento, que deverá continuar a uma taxa ainda mais elevada em novembro e dezembro (mais 1,5 milhões de barris por dia por mês), estão a contribuir de uma forma muito particular os Estados Unidos. De facto, vão ser o país a dar o principal contributo para este aumento, tendência que vai continuar em 2022.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.