Escolha as suas informações

Secretário do Tesouro dos EUA satisfeito com acordo comercial com a China
Steven Mnuchin

Secretário do Tesouro dos EUA satisfeito com acordo comercial com a China

Foto: AFP
Steven Mnuchin
Economia 21.05.2018

Secretário do Tesouro dos EUA satisfeito com acordo comercial com a China

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, mostrou-se hoje satisfeito sobre os progressos nas negociações comerciais com a China, mas não afastou o recurso a novas tarifas se não for cumprido o acordado.

"Creio que fizemos progressos muito significativos", afirmou Mnuchin em declarações ao canal televisivo de informação financeira CNBC, dois dias após representantes de Washington e de Pequim terem anunciado o final das conversações.

De acordo com o comunicado oficial, os dois países chegaram a um consenso para reduzir o défice comercial norte-americano com a China e as autoridades de Pequim comprometeram-se a aumentar "significativamente" a compra de bens e serviços aos Estados Unidos.

Não foram avançados números concretos, apesar de os Estados Unidos terem solicitado que a China reduza em 200 mil milhões de dólares o excedente comercial que tem com os Estados Unidos.

Depois do acordo, os Estados Unidos anunciaram que suspendem provisoriamente a imposição de novas taxas à importação de produtos chineses.

"Agora depende de nós assegurarmos que o podemos implementar", afirmou Mnuchin ao resumir o que foi negociado com a China.

O secretário do Tesouro não afastou, no entanto, que se recorra a novas taxas aduaneiras se as autoridades chinesas não cumprirem "o acordo com um quadro muito completo" que foi definido nas negociações que decorreram em Washington na semana passada.

"Se as coisas não resultarem e não conseguirmos o que queremos, o Presidente pode sempre voltar a impor tarifas", adiantou.

A administração de Donald Trump tinha ameaçado impor tarifas no valor de 150 mil milhões de dólares a centenas de produtos chineses para equilibrar a balança comercial entre os dois países.

O acordo alcançado, acrescentou Mnuchin, abre caminho às empresas dos dois países para desenvolverem os seus próprios negócios.

Nesse sentido, o responsável dos Estados Unidos disse que as empresas de energia norte-americanas podem chegar a acordo com as chinesas para vender produtos num valor entre 40 mil e 50 mil milhões de dólares.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

EUA e China lançam guerra para o domínio do mundo
A escalada de Donald Trump ameaçando taxar os produtos vindos da China em 25% esconde um conflito mais fundo: trata-se do domínio das novas tecnologias do futuro e de uma tentativa de impedir que a mais populosa nação do planeta se torne a primeira potência económica e mesmo militar da Terra. Contacto pediu a opinião aos economistas Francisco Louçã e Nuno Teles sobre as consequências que se preveem na economia mundial.
China e EUA suspendem guerra comercial
No quadro da próxima cimeira entre norte-americanos e norte-coreanos, a decisão foi tomada após dois dias de intensas negociações entre Washington e Pequim.