Escolha as suas informações

Ryanair prepara-se para despedir 900 trabalhadores
Economia 31.07.2019

Ryanair prepara-se para despedir 900 trabalhadores

Ryanair prepara-se para despedir 900 trabalhadores

Foto: dpa
Economia 31.07.2019

Ryanair prepara-se para despedir 900 trabalhadores

Serão afetados pilotos e assistentes de bordo. Os cortes de pessoal vão avançar em setembro e outubro e, novamente, depois do natal.

A companhia aérea irlandesa de baixo custo prepara-se para despedir cerca de 900 trabalhadores. O CEO da Ryanair, Michael O'Leary, admitiu que a empresa tem um excesso de 500 pilotos e 400 assistentes de bordo.

Os número foram referidos por O’Leary num vídeo  - a que a agência Bloomberg teve acesso - destinado aos trabalhadores depois da apresentação de uma queda nos lucros da empresa. Além disso, o CEO da Ryanair disse que, no próximo verão, vai precisar de menos 600 trabalhadores do que o esperado inicialmente. "Faremos o nosso melhor para minimizar as perdas de postos de trabalho, mas, nesta altura, algumas são inevitáveis", declarou O’Leary no vídeo.

Segundo a Bloomberg, um porta-voz da empresa confirmou a veracidade do vídeo e que podiam ser afetados 900 postos de trabalho. Recorde-se que a companhia aérea reconheceu a existência de sindicatos no final de 2017.

A Ryanair já tinha avisado que podia fechar algumas bases europeias e reduzir outras, na sequência das preocupações com o Brexit e da crise com o escândalo que envolve os Boeing Co.’s 737 Max.

O vídeo foi divulgado na segunda-feira depois de a empresa ter publicado resultados que dão conta de uma queda de 21% nos lucros trimestrais. O aumento do preços do combustível, a guerra de preços e o abrandamento económico de alguns países estiveram na base da quebra dos resultados.

O’Leary adiantou que vai dar mais detalhes em agosto e que os cortes vão avançar em setembro e outubro e, novamente, depois do natal.


Notícias relacionadas

Lucros da Ryanair caem a pique
A companhia aérea mantém "total confiança" nos aviões Boeing 737-MAX, apesar de ter cancelado até ao próximo inverno a incorporação destes na frota, depois dos acidentes ocorridos este ano na Etiópia e na Indonésia.