Escolha as suas informações

Rui Moreira quer subsídio estatal para captar companhias aéreas para o Porto
Economia 3 min. 27.12.2021
Aviação

Rui Moreira quer subsídio estatal para captar companhias aéreas para o Porto

Aviação

Rui Moreira quer subsídio estatal para captar companhias aéreas para o Porto

LUSA
Economia 3 min. 27.12.2021
Aviação

Rui Moreira quer subsídio estatal para captar companhias aéreas para o Porto

Lusa
Lusa
A presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, afirmou que o Porto "nunca será" um segundo 'hub' para a companhia aérea TAP.

O presidente da Câmara do Porto defendeu esta segunda-feira, em Assembleia Municipal, que o Estado deve atribuir um subsídio semelhante ao que é dado às Regiões Autónomas para captar companhias aéreas para o aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Depois de a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, ter afirmado, em entrevista ao Público, que o Porto "nunca será" um segundo 'hub' para a companhia aérea, Rui Moreira reclamou uma compensação financeira, lembrando que o Estado investe “anualmente 100 milhões de euros a subsidiar voos para os Açores e para a Madeira”.

“Seria relevante que o Porto – não posso falar por Faro – reclamasse, pelo menos, um montante equivalente, até porque a nossa Área Metropolitana é muito maior, não tem é o problema da insularidade”, advogou.

O autarca referiu que já deu “os parabéns ao senhor ministro Pedro Nuno Santos por conseguir aprovar o plano de reestruturação da TAP” e citou declarações do ministro das Infraestruturas e Habitação em que, disse Rui Moreira, ficou “absolutamente claro” que “a importância da TAP é para o ‘hub’ de Lisboa, que a manutenção da TAP se deve ao ‘hub’ de Lisboa, e que é assim que esta TAP, ou ‘Tapinha’, como quiserem, vai funcionar”.


TAP recebe 530 milhões de euros de Bruxelas na próxima semana
O ministro das Finanças, João Leão, afirmou que a TAP vai receber já na próxima semana uma injeção de cerca de 530 milhões de euros, depois de Bruxelas ter dado ‘luz verde’ ao plano de reestruturação da transportadora.

Numa altura de crise em que várias companhias abandonaram a sua operação no aeroporto Francisco Sá Carneiro, importa captar novas rotas, realçou o presidente da Câmara: “Se a TAP não o quer fazer, ou não o vai fazer – é um pouco irrelevante fazer a análise psicológica desta questão, (…) acho que a TAP é a última companhia colonial a existir em Portugal, mas não é isso que conta – temos de encontrar outros”, disse.

Porto e o Norte foram os destinos turísticos mais procurados do país

E prosseguiu, frisando que, “para encontrar outros, é preciso uma migalha daquilo que é gasto para manter o ‘hub’ de Lisboa”.

“Não queremos ‘hub’ nenhum, queremos ter um aeroporto Francisco Sá Carneiro que seja servido, não apenas para turistas, mas para toda a atividade económica que precisamos de atrair”, atirou.

Rui Moreira respondia a um repto lançado pelo deputado municipal Raul Almeida, do movimento que apoia o independente, que mencionou o facto de o Porto e o Norte ter sido o destino turístico mais procurado do país e mostrou a sua preocupação em relação a “toda uma economia que gira em volta disto, toda uma economia que está ancorada em volta do aeroporto Francisco Sá Carneiro, em que o Porto é uma centralidade”.

“Mas isto não é aeroporto do Porto, é o aeroporto que, estando no Porto, serve todo o Norte do país e dá ao Porto uma inequívoca capitalidade em termos do Noroeste peninsular”, lembrou.


Bruxelas dá 'luz verde' a plano de reestruturação da TAP mas impõe remédios
Segundo o Executivo português, os apoios à empresa atingirão o limite de 3.200 milhões de euros, devido a valores já pagos e a outros que ainda irão ser aprovados.

Das restantes bancadas municipais, apenas a CDU se debruçou sobre o tema, já no fim da discussão.

A deputada Joana Rodrigues concordou que “a gestão da TAP deve assegurar a cobertura nacional, e não apenas do aeroporto de Lisboa”, e que “Portugal necessita de uma TAP cuja orientação e dimensão tem de dar uma efetiva resposta à coesão territorial e à ligação às Regiões Autónomas e às comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo”.

Considerou, por outro lado, que "cabe ao país, e não à União Europeia, decidir sobre a viabilidade e o futuro das suas empresas”.

Da bancada comunista veio também a rejeição do “sentimento que por vezes existe de que mais vale se calhar desistir da empresa”.

“Isso acaba por ser um camuflar um problema que existe e transferir meios e recursos diretamente para os privados. Isso a nosso ver não é defender o Porto, nem a descentralização, é contribuir para lucros dos privados, concentração em companhias estrangeiras e maior dependência do país”, defendeu. (corrige nome do deputado municipal do "Porto, o nosso movimento" citado no oitavo parágrado que é Raul Almeida e não Rui Almeida)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A companhia aérea brasileira Azul vai passar a fazer a ligação entre o Brasil e o Luxemburgo a partir de junho de 2019. Os voos vão fazer escala no Porto, com a parceria da TAP.