Escolha as suas informações

Restaurantes e hotéis. Petição pede redução do IVA de 17 para 7,5%
Economia 3 min. 28.05.2020

Restaurantes e hotéis. Petição pede redução do IVA de 17 para 7,5%

Restaurantes e hotéis. Petição pede redução do IVA de 17 para 7,5%

Foto: Lex Kleren
Economia 3 min. 28.05.2020

Restaurantes e hotéis. Petição pede redução do IVA de 17 para 7,5%

Morgan KUNTZMANN
Morgan KUNTZMANN
Das mais de uma dezena de petições a maior parte está relacionada com as consequências económicas da crise provocada pela covid-19. Cidadãos estão preocupados com o futuro.

A comissão parlamentar luxemburguesa aceitou 12 das 17 petições públicas submetidas para discussão pelos deputados. E destas, a grande maioria está relacionada com o impacto económico da covid-19 no país. Numa delas, intitulada "Just Recovery", a peticionária Maria Rosario apela para um plano mais sustentável para a economia luxemburguesa. Segundo a cidadã, este plano deveria incluir a redução das emissões de CO2 como forma de proteger o ambiente. 

Uma outra petição, a 1599, pede maior almofada financeira para os setores da restauração e hotelaria. Por exemplo, o documento diz que é necessária uma redução do IVA nos restaurantes e hotéis de 17 para 7,5%, dois setores que estão a ser fortemente afetados pela crise pandémica. O autor pede também uma suspensão das contribuições sociais dos patrões até 2021. No mesmo sentido, o pagamento de rendas e prestações de serviços nos dois setores deveriam poder ser suspensos quando a economia fica paralisada, tal como aconteceu durante a crise da covid-19. 


Cafés e restaurantes da capital podem pedir à autarquia para alargar área de esplanada
A autarquia da cidade do Luxemburgo vai permitir a cafés e restaurantes alargarem as esplanadas, de forma a que seja possível manter a distância entre clientes e, ao mesmo tempo, não reduzir o número de mesas.

Da mesma forma, a petição 1612 pede uma redução do IVA no setor da Horesca, mas ainda mais ambiciosa: redução para 3% até 2025. Um outro documento que será debatido pelos deputados é a petição 1603, que apela ao dobro das vantagens fiscais nos casos de construção ou renovação de imóveis. Segundo a lei atual, já é possível beneficiar de uma taxa de 3% para investimentos até 50 mil euros, mas segundo o autor, este benefício devia ser aumentado para até 100 mil euros de investimentos.

Na proposta 1604, o autor mostra-se preocupado com o fundo de pensões e o impacto da crise pandémica no mesmo. E pretende por isso que os deputados debatam a reforma do sistema de pensões. O peticionário chega mesmo a propor que as contribuições aumentem até 2060 e, se necessário, aumentar a idade limite para a reforma.

Fim do uso obrigatório de máscara 

Um outro cidadão pede o fim do estado de emergência, e diz mesmo que a sociedade tem de aprender a lidar com o novo coronavírus. Numa proposta semelhante, a proposta 1607 pede o fim do uso obrigatório de máscara, que deveria ser deixado ao critério de qualquer um.

Num outro documento, um dos autores pede a reabertura dos parques infantis. O peticionário queixa-se de que as crianças estiveram confinadas em casa os últimos dois meses, uma situação que poderá ter impacto na sua saúde mental. A termo de comparação, na vizinha Bélgica estes espaços foram reabertos a 27 de maio. 


E se o teletrabalho fosse regra no Luxemburgo?
O desafio foi lançado por um casal luxemburguês. A petição que quer incluir o trabalho à distância na rotina do Grão-Ducado está perto das 3.400 assinaturas. Faltam pouco mais de mil para chegar ao parlamento.

Outras propostas estão relacionadas com o teletrabalho. A petição 1609 pede que o Luxemburgo negoceie com os países vizinhos a possibilidade de os trabalhadores transfronteiriços trabalhem pelo menos metade do tempo a partir de casa. Os agentes de segurança também são o destaque da petição 1590, que requer um reconhecimento legal da profissão. Pouco relacionado com a crise mas ainda assim relevante é a petição 1610 que pede o fim da tecnologia Bluetooth nos espaços públicos. 

Uma outra proposta relacionada com a mobilidade requer a criação de mais vias pedestres, o limites à circulação rodoviária em certas zonas do país, medidas com vista a reduzir os acidentes com peões.

Texto publicado originalmente na edição alemã do Luxemburger Wort. Traduzido e editado por Catarina Osório.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Fumadores contra-atacam com petição no Parlamento
A petição para banir o fumo das esplanadas no Luxemburgo recolheu esta semana o número necessário de assinaturas para ser discutida no Parlamento, mas já tem contestação. A contra-petição n° 1083, ainda à espera de luz verde da Comissão de Petições, defende que a medida, a ser aprovada, discrimina os fumadores.
Petições podem ser “válvula de escape” de tensões identitárias
Já lhes chamaram “a democracia do clique”. As petições eletrónicas são um sucesso no Luxemburgo, mas não há o risco de aproveitamento por movimentos populistas? Para o politólogo Raphaël Kies, autor de um estudo sobre as petições no Luxemburgo, podem ser um barómetro da opinião pública e funcionar como “válvula de escape”.
Raphael Kies.
EDITORIAL: A fatura dos imigrantes
“Mais de metade do eleitorado trabnão mudar, vão ser sempre os mesmos a pagar a fatura.” alha na Função Pública. São estes que escolhem quem governa o país e enquanto isto não mudar, vão ser sempre os mesmos a pagar a fatura.”