Escolha as suas informações

PSD considera "uma grande surpresa a má notícia" de saída da CGD do Luxemburgo

PSD considera "uma grande surpresa a má notícia" de saída da CGD do Luxemburgo

Foto: Pierre Matgé
Economia 2 min. 28.07.2018

PSD considera "uma grande surpresa a má notícia" de saída da CGD do Luxemburgo

O deputado social-democrata Carlos Alberto Gonçalves considerou hoje "uma grande surpresa a má notícia" do encerramento da operação da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no Luxemburgo, país em que a comunidade portuguesa representa 16% da população.

"Não nos tinham informado que havia intenções de encerrar a operação da CGD no Luxemburgo. Tínhamos conhecimento do encerramento de balcões em países com comunidades portuguesas importantes, como é o caso de África do Sul e Espanha. Temos a operação em França, até pelo movimento que houve de trabalhadores, aparentemente em risco. Foi uma grande surpresa esta má notícia, porque não nos informaram que havia intenções de encerrar a operação no Luxemburgo", disse Carlos Alberto Gonçalves à agência Lusa.

O deputado do PSD, eleito pelo círculo eleitoral da Europa, frisou que, "o que está a acontecer lamentavelmente, distancia aquilo que é um banco público e um universo de portugueses" emigrantes, espalhados pelos quatro quadrantes do mundo.

"É pena ver que as comunidades portuguesas, aparentemente nas áreas económica e do investimento, não parecem ser uma prioridade do atual Governo e da atual liderança da CGD", observou, classificando o banco público "essencial para Portugal, para os portugueses e para a sua economia".

A informação do fecho da atividade da CGD no Luxemburgo foi avançada pela Associação Luxemburguesa de Trabalhadores da Banca e Seguros (Aleba, na sigla em francês), e pelas centrais sindicais OGB-L e LCGB, que enviaram um comunicado conjunto. O documento adiantava que as negociações para o plano social começaram em meados de julho.

Em comunicado divulgado a 26 de julho, já depois das notícias do encerramento, a CGD confirmou que "irá encerrar as suas sucursais de Nova Iorque e do Luxemburgo até ao final de 2018, cumprindo as determinações do Plano Estratégico negociado com as autoridades europeias e que incluem um redimensionamento da atividade internacional da Caixa".

A sucursal em Nova Iorque e os dois balcões no Luxemburgo foram considerados como de "menor expressão".

No Luxemburgo, o banco tem como clientes "cerca de 5% da população portuguesa aí residente, dos quais 40% são igualmente clientes em Portugal", pode ler-se na nota. No país vivem cerca de 96 mil portugueses, segundo dados do Statec.

Há 21 anos que a CGD tem atividade no Luxemburgo.

O encerramento da operação em Luxemburgo vai afetar 23 trabalhadores, de acordo com os sindicatos no país.

A redução da operação da CGD fora de Portugal engloba também o Brasil e foi acordada em 2017, ano em que fecharam 67 balcões.

Até 2020, a CGD terá de encerrar 180 balcões em Portugal, 70 dos quais este ano.

Em 2017, fecharam 67 balcões e a CGD terá de fechar, além dos 70 deste ano, mais 43 balcões nos próximos dois anos.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.