Escolha as suas informações

Preços dos bens e serviços em alta em agosto
Economia 04.09.2020

Preços dos bens e serviços em alta em agosto

Preços dos bens e serviços em alta em agosto

Foto: Pierre Matgé
Economia 04.09.2020

Preços dos bens e serviços em alta em agosto

Manuela PEREIRA
Manuela PEREIRA
O Índice de Preços no Consumidor (IPC) subiu 0,8% em agosto face ao mês anterior.

A explicar este aumento mensal dos preços dos bens e serviços no Luxemburgo está o fim dos saldos de verão que decorreram durante o mês de julho, de acordo com os dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (Statec).

Até porque se se neutralizar as variações devidas aos saldos e se excluir os produtos petrolíferos, os preços dos outros bens e serviços subiram 0,2 pontos percentuais.

A compra de vestuário e calçado pesou na carteira dos consumidores. Quem comprou esses artigos pagou em média mais 12,9% do que no mês de julho.


Habitação é a maior despesa das famílias. Há 40 anos era a alimentação
Sem surpresas, os gastos com a habitação continuam a ser a maior despesa das famílias no Luxemburgo. Dados do Instituto Nacional de Estatística (STATEC) mostram que há 40 anos a habitação aparecia apenas em segundo lugar.

A puxar os preços para baixo, depois de dois meses em alta, estiveram os produtos petrolíferos (-1,5%). O preço do gás canalizado caiu 4,6% e a fatura do gasóleo de aquecimento recuou 0,7%. 

No cômputo geral, os preços dos produtos alimentares estagnaram em agosto.  Mas há contudo diferenças. O peixe fresco (-3,8%) e os legumes (-1,7%) ficaram mais baratos. Já a fruta (+1,9%), e o café e chá (+1,3%) aumentaram. E se compararmos com agosto de 2019 regista-se uma subida. A alimentação está 2,3% mais cara do que há um ano e os preços subiram quase 1% (+0,9%) face ao mês de fevereiro. 


Consumo. Famílias gastam em média mais de 4.000 euros por mês
A despesa média de consumo das famílias cresceu 10% em apenas cinco anos.

Com esta última comparação, o Statec explica, embora de forma implícita, que os produtos alimentares estão mais caros devido à pandemia de covid-19. Já que fevereiro foi o mês que precedeu a eclosão da crise pandémica no país, com o primeiro caso a ser diagnosticado a 29 de fevereiro. 

Feitas as contas, a taxa de inflação caiu para 0,6%, menos 0,3 pontos percentuais do que em agosto de 2019.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas