Escolha as suas informações

Preços da energia e alimentos vão continuar altos até finais de 2024
Economia 3 min. 27.04.2022
Banco mundial

Preços da energia e alimentos vão continuar altos até finais de 2024

Banco mundial

Preços da energia e alimentos vão continuar altos até finais de 2024

Foto: Daniel Leal/AFP
Economia 3 min. 27.04.2022
Banco mundial

Preços da energia e alimentos vão continuar altos até finais de 2024

Lusa
Lusa
Banco Mundial alerta num relatório que este aumento motivado pela guerra na Ucrânia "está a ter um impacto humano e económico muito pesado, e vai provavelmente parar o progresso na redução da pobreza."

O Banco Mundial avisou esta terça-feira que o elevado preço das matérias-primas, como a energia e os alimentos, vai manter-se até finais de 2024 devido à guerra na Ucrânia.

"O aumento nos preços da energia durante os últimos dois anos foi o maior desde a crise petrolífera de 1973; o aumento dos preços para as matérias-primas alimentares, das quais a Rússia e a Ucrânia são dois grandes produtores, e dos fertilizantes, que depende de gás natural para ser produzido, foi o mais elevado desde 2008", lê-se num comunicado distribuído em Washington na terça. 

A invasão da Ucrânia pela Rússia "foi um enorme choque para os mercados das matérias-primas, alterando os padrões globais de comércio, produção e consumo de maneiras que vão manter os preços em níveis historicamente elevados até ao final de 2024", apontam os autores do mais recente relatório sobre as Perspetivas de Evolução dos Mercados das Matérias-Primas.

O aumento nos preços dos alimentos e da energia por causa do choque na oferta motivado pela guerra na Ucrânia está a ter um impacto humano e económico muito pesado, e vai provavelmente parar o progresso na redução da pobreza.

Relatório do Banco Mundial

Os preços da energia deverão aumentar mais de 50% este ano, antes de abrandarem em 2023 e 2024, dizem os autores do documento, apontando que "os preços não energéticos, incluindo a agricultura e os metais, deverão subir quase 20% este ano, abrandando também nos anos seguintes".

No entanto, alertam, "os preços das matérias-primas deverão permanecer bem acima da média dos últimos cinco anos e em caso de uma guerra prolongada, ou de mais sanções à Rússia, os preços podem ser ainda mais altos e mais voláteis do que as projeções atuais apontam".

O Banco Mundial prevê que o preço do petróleo de Brent fique nos 100 dólares, em média, este ano, o nível mais elevado desde 2013 e 40% acima da média registada no ano passado, descendo depois para 92 dólares em 2023, ainda assim bem acima da média de 60 dólares dos últimos cinco anos.

"Os preços do gás natural na Europa devem ser o dobro, este ano, do registado em 2021, ao passo que os preços do carvão deverão ser 80% maiores do que ano passado, com ambos os preços a baterem o recorde", acrescenta o Banco Mundial.

"O aumento nos preços dos alimentos e da energia por causa do choque na oferta motivado pela guerra na Ucrânia está a ter um impacto humano e económico muito pesado, e vai provavelmente parar o progresso na redução da pobreza, já que preços elevados da matérias-primas aumentam as já de si elevadas pressões sobre a inflação em todo o mundo", comentou o diretor do Grupo de Pesquisa do Banco Mundial, Ayhan Kose, que produz o relatório.

O elevado preço das matérias-primas terá impactos globais, nomeadamente nos países que já enfrentam as maiores dificuldades, acrescentou o economista sénior deste grupo de pesquisa económica do banco: "Isto vai ter um impacto e efeitos prolongados; o forte aumento dos preços das matérias-primas, como energia e fertilizantes, pode levar a uma redução na produção alimentar, particularmente nos países em desenvolvimento, o que vai pesar na produção e na qualidade dos alimentos, afetando também a sua disponibilidade, o rendimento rural e as vidas dos pobres", avisou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Instabilidade dos mercados e especulação dos produtores está a fazer disparar o preço da eletricidade e eventuais cortes de abastecimento. A UE teme meses frios e de crise económica. A próxima cimeira europeia irá discutir o tema.