Escolha as suas informações

Preço do metro quadrado dispara 1.000 euros em apenas um ano
Economia 2 min. 07.10.2020 Do nosso arquivo online

Preço do metro quadrado dispara 1.000 euros em apenas um ano

Preço do metro quadrado dispara 1.000 euros em apenas um ano

Economia 2 min. 07.10.2020 Do nosso arquivo online

Preço do metro quadrado dispara 1.000 euros em apenas um ano

Em comparação com o mesmo trimestre do ano passado, ficou ainda mais caro morar no Luxemburgo. Com o metro quadrado abaixo dos 4.000 euros, Clervaux e Parc Hosigen são a única alternativa viável.

Apesar de registado uma queda de 22%, com menos 400 casas vendidas do que em 2019, o mercado imobiliário no Grão-Ducado continua a colocar o país no pódio dos mais caros para viver na União Europeia. Praticamente imune aos impactos económicos da crise sanitária na maioria dos ramos de atividade, o setor conseguiu encarecer o preço da habitação em pleno confinamento. 

De acordo com o Eurostat, o Grão-Ducado registou, em plena pandemia, o maior aumento anual do preço que se paga por metro quadrado no conjunto dos Estados membros da UE. Em comparação com o ano passado, observou um crescimento de 13,3%, acima dos 10,9% registados na Polónia e os 9,7% na Eslováquia. 

Mil e setenta e três 

A confirmar os dados recolhidos pelo instituto de estatísticas europeu, o Observatório da Habitação luxemburguês conclui que, de facto, o preço médio dos apartamentos no Luxemburgo subiu acentuadamente se compararmos os meses de março, abril e maio de 2019. 

Em média, os inquilinos pagaram 7,486 euros por metro quadrado no segundo trimestre de 2020, enquanto que, no ano passado, pagavam 6,413 euros. Em percentagem, este aumento de 1.073 euros, corresponde a uma subida de 16,7%.


 A maior subidas homólogas dos preços das casas foram observadas no Luxemburgo (13,3%).
Luxemburgo regista o maior aumento no preço da habitação na UE
O preço das habitações aumentou no segundo trimestre 5,0% na zona euro e 5,2% na União Europeia (UE), face ao período homólogo. O Luxemburgo registou a maior subida (13,3%) e Portugal a subiu acima da média, atingindo os 7,8%, segundo divulga hoje o Eurostat.

Mais barato só em Clervaux ou Parc Hosingen

Sem surpresa, o metro quadrado é mais caro na capital. Em média, varia entre os 9.477 e os 14.326 euros, no caso dos apartamentos mais recentes.  Imediatamente a seguir, Bertrange e Strassen são a segunda e a terceira comunas mais caras para comprar casa no Grão-Ducado. A menos de dez quilómetros da cidade do Luxemburgo, o metro quadrado custa 9.467 euros em Bertrange. Mais perto, em Strassen, está avaliado em 9.101 euros. 

À medida que seguimos para norte, os preços caem a pique. O preço por metro quadrado em Clervaux chega a ser mais baixo do que em Parc Hosingen. Com menos de 5.500 habitantes, a primeira cobra 3,764 e a segunda.3,769 euros por metro quadrado. 

Apartamentos recentes disparam 

Os números do Observatório da Habitação mostram ainda que os preços subiram mais nas casas novas - +16,7% para 8.354 euros/m² - do que nas casas antigas -+15,7%, 6.826 euros/m². 

Assim, no final do segundo trimestre de 2020, o preço médio de um apartamento era de 589.900 euros, em comparação com os anteriores 513.155 euros. Em apartamentos mais recentes a disparidade é maior. Se há um ano, um apartamento com 82 m² valia, em média, 538.672 euros, agora, o preço disparou para os 657.269 euros. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Habitação. Preço das casas dispara 99,8% em dez anos
Muito acima da média europeia, o Grão-Ducado está do pódio dos países que observaram o maior aumento do preço das casas entre 2010 e 2020 com uma taxa de 99,8%. Nem a pandemia impediu um novo recorde. Em relação ao quarto trimestre de 2019, o valor dos imóveis registou uma subida de 16,7%. Na capital, o metro quadrado ultrapassou pela primeira vez os 10 mil euros.
Apartamentos aumentaram 12% no último ano
Dados do Grupo atHome revelam que a média da renda para um apartamento é de 1.520 euros, enquanto para uma casa se situa nos 2.892 euros, tendo subido 10%. O aumento nos preços para compra de apartamentos e de casas chegou a 12 e 11%, respetivamente.