Escolha as suas informações

Preço da habitação subiu quase 6% no 2° trimestre
Economia 13.12.2016 Do nosso arquivo online
BIL IMMO Index

Preço da habitação subiu quase 6% no 2° trimestre

BIL IMMO Index

Preço da habitação subiu quase 6% no 2° trimestre

Foto: Shuterstock
Economia 13.12.2016 Do nosso arquivo online
BIL IMMO Index

Preço da habitação subiu quase 6% no 2° trimestre

O preço da habitação voltou a disparar no Luxemburgo e aumentou 5,6% no segundo trimestre do ano, face ao período homólogo de 2015, de acordo com o índice BIL Immo.

O preço da habitação voltou a disparar no Luxemburgo e aumentou 5,6% no segundo trimestre do ano, face ao período homólogo de 2015, de acordo com o índice BIL Immo.

O estudo, lançado em outubro de 2015, foi realizado pelo Banco Internacional do Luxemburgo (BIL) em colaboração com a PricewaterhouseCoopers (PwC).

Os preços elevados do imobiliário, quer seja para compra ou arrendamento, são há anos um dos maiores problemas para quem pretende instalar-se no Luxemburgo.

No passado mês de novembro, o STATEC revelou que, nos últimos doze meses, o preço médio de venda de estúdios no país rondou os 5.146 euros por metro quadrado (m²), enquanto os apartamentos, iguais ou superiores a 130m², custavam cerca de 4.136 euros/m².

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Muito acima da média europeia, o Grão-Ducado está do pódio dos países que observaram o maior aumento do preço das casas entre 2010 e 2020 com uma taxa de 99,8%. Nem a pandemia impediu um novo recorde. Em relação ao quarto trimestre de 2019, o valor dos imóveis registou uma subida de 16,7%. Na capital, o metro quadrado ultrapassou pela primeira vez os 10 mil euros.
Os preços elevados da habitação, para vender ou arrendar, são apontados, há décadas, como um dos maiores problemas, para quem chega e se quer instalar no Luxemburgo. O segundo trimestre deste ano confirmou essa tendência, com uma subida anual dos preços do imobiliário de 5,6%.
O custo da mão-de-obra no Luxemburgo aumentou 4,5% no segundo trimestre, face ao mesmo período do ano passado, enquanto tanto na zona euro como no total da União Europeia estes custos subiram 1,2%.
Os dois principais componentes dos custos de trabalho são os salários e outras despesas, como obrigações sociais a cargo do empregador