Escolha as suas informações

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise
Economia 08.06.2021 Do nosso arquivo online

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise

Foto: Pierre Matge
Economia 08.06.2021 Do nosso arquivo online

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Qual o impacto da crise sanitária no setor financeiro luxemburguês? Reunidos em comissão parlamentar, os deputados tentaram obter uma resposta a esta pergunta por parte do diretor-geral da Comissão de Supervisão do Setor Financeiro (CSSF), Claude Marx.

Este confirma que a praça financeira do Luxemburgo mostrou-se resiliente ao longo da crise sanitária e que “nenhum sinal de alerta aponta para uma crise financeira”.

No entanto, o diretor-geral da CSSF sublinha que apesar da “relativa boa performance” do setor financeiro nos últimos 15 meses, não se deve relativizar a situação dramática que certos setores têm de enfrentar desde o início da pandemia.

Claude Marx diz que os bancos receberam, na primeira metade de 2020, cerca de 13 mil pedidos de moratórias de crédito. O que equivale a cerca de 3,6 mil milhões de euros. Atualmente, o número baixou para 1.600 pedidos, equivalente a 400 milhões de euros.

Ainda relativamente ao setor bancário, a CSSF constata que as instituições estão a ser menos rentáveis, ou seja as despesas estão a aumentar mais rapidamente que as receitas. 

Porém, o diretor-geral do supervisor financeiro explica que este fenómeno não está ligado à crise sanitária, mas à evolução dos últimos seis anos do setor. Essa perda deve-se sobretudo, segundo Claude Marx, aos investimentos massivos a nível das infraestruturas informáticas e às medidas contra o branqueamento de capitais.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Centenas de empresas financeiras britânicas apresentaram pedidos para prosseguir as suas operações no Grão-Ducado depois da saída do Reino Unido da União Europeia, segundo confirma o diretor geral da CSSF (Commission de surveillance du secteur financier), Claude Marx.
Para a maioria dos europeus, alguém que vive no Luxemburgo provavelmente ainda trabalha num banco. Uma imagem criada ao longo de várias décadas em que o setor da banca cresceu exponencialmente, chegando às 212 empresas sediadas no Grão-Ducado. Algumas dessas instituições passaram a integrar a lista dos principais empregadores do país, com as convenções coletivas a garantirem que uma pequena fatia da riqueza que era criada – ou, em larga medida, desviada – era destinada aos empregados do setor. Um Eldorado com que milhares de jovens sonhavam. Até que chegou 2008…