Escolha as suas informações

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise
Economia 08.06.2021

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise

Foto: Pierre Matge
Economia 08.06.2021

Praça financeira luxemburguesa sem sinais de crise

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Qual o impacto da crise sanitária no setor financeiro luxemburguês? Reunidos em comissão parlamentar, os deputados tentaram obter uma resposta a esta pergunta por parte do diretor-geral da Comissão de Supervisão do Setor Financeiro (CSSF), Claude Marx.

Este confirma que a praça financeira do Luxemburgo mostrou-se resiliente ao longo da crise sanitária e que “nenhum sinal de alerta aponta para uma crise financeira”.

No entanto, o diretor-geral da CSSF sublinha que apesar da “relativa boa performance” do setor financeiro nos últimos 15 meses, não se deve relativizar a situação dramática que certos setores têm de enfrentar desde o início da pandemia.

Claude Marx diz que os bancos receberam, na primeira metade de 2020, cerca de 13 mil pedidos de moratórias de crédito. O que equivale a cerca de 3,6 mil milhões de euros. Atualmente, o número baixou para 1.600 pedidos, equivalente a 400 milhões de euros.

Ainda relativamente ao setor bancário, a CSSF constata que as instituições estão a ser menos rentáveis, ou seja as despesas estão a aumentar mais rapidamente que as receitas. 

Porém, o diretor-geral do supervisor financeiro explica que este fenómeno não está ligado à crise sanitária, mas à evolução dos últimos seis anos do setor. Essa perda deve-se sobretudo, segundo Claude Marx, aos investimentos massivos a nível das infraestruturas informáticas e às medidas contra o branqueamento de capitais.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Num confinamento que não se sabe quando terminará, muitos se questionam sobre o futuro pós-covid-19 e o consequente regresso à normalidade. As questões relacionadas com o emprego e como se vai portar a economia do país são de particular pertinência sobre os próximos tempos que muitos temem vir a ser sombrios.
Os trabalhadores e pensionistas já deverão ter recebido este mês os aumentos relativos à indexação. Olhos postos nas contas bancárias que ficaram um pouco mais recheadas esta semana. Salários e pensões sobem 2,5%. Para a próxima indexação será preciso esperar: só deverá chegar daqui a ano e meio.
Centenas de empresas financeiras britânicas apresentaram pedidos para prosseguir as suas operações no Grão-Ducado depois da saída do Reino Unido da União Europeia, segundo confirma o diretor geral da CSSF (Commission de surveillance du secteur financier), Claude Marx.
Para a maioria dos europeus, alguém que vive no Luxemburgo provavelmente ainda trabalha num banco. Uma imagem criada ao longo de várias décadas em que o setor da banca cresceu exponencialmente, chegando às 212 empresas sediadas no Grão-Ducado. Algumas dessas instituições passaram a integrar a lista dos principais empregadores do país, com as convenções coletivas a garantirem que uma pequena fatia da riqueza que era criada – ou, em larga medida, desviada – era destinada aos empregados do setor. Um Eldorado com que milhares de jovens sonhavam. Até que chegou 2008…