Escolha as suas informações

Plano de Recuperação e Resiliência luxemburguês submetido a Bruxelas
Economia 2 min. 12.05.2021

Plano de Recuperação e Resiliência luxemburguês submetido a Bruxelas

Plano de Recuperação e Resiliência luxemburguês submetido a Bruxelas

Foto: Pixabay
Economia 2 min. 12.05.2021

Plano de Recuperação e Resiliência luxemburguês submetido a Bruxelas

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
País é um dos 15 Estados-membros que já entregou à Comissão Europeia o plano para aceder às verbas do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, que pretende ajudar os países da União Europeia a recuperarem da crise provocada pela covid-19.

O Luxemburgo é um dos 15 Estados-membros que já entregou o seu Plano de   Recuperação e Resiliência (PRR) para aceder às verbas pós-crise da covid-19, de acordo com a informação divulgada esta quarta-feira, 12 de maio, pela Comissão Europeia.

Os planos de recuperação servem para os países da União Europeia acederem ao Mecanismo de Recuperação e Resiliência (MRR), elemento central do “Next Generation EU”, o fundo de 750 mil milhões de euros aprovado pelos líderes europeus em julho de 2020 e que visa impulsionar a recuperação económica da UE da crise provocada pela pandemia de covid-19.


Governo anuncia 93 milhões de euros para investimentos em transição digital e ecológica
O ministro das Finanças, Pierre Gramegna, anunciou que o Governo vai disponibilizar 93 milhões de euros aos investidores interessados em projetos de transição digital e ecológica.

Parte da verba desse mecanismo será atribuída em subvenções e a outra em empréstimos.

Para aceder ao financiamento desse fundo, os países da UE têm de submeter a Bruxelas os seus PRR, onde definam os seus programas de reforma e de investimento até 2026, e que serão avaliados pelas instituições europeias.  Segundo a agência Lusa, a presidência portuguesa da UE está a trabalhar para conseguir acelerar a aprovação  e permitir que os primeiros planos tenham o aval do Ecofin (que junta os ministros das Finanças) já em junho.

Dos 750 mil milhões de euros do fundo de resolução, o Luxemburgo vai receber 100 milhões e, segundo noticiou, no verão passado, o Luxemburger Wort, o Grão-Ducado não deverá beneficiar de uma redução da contribuição para o orçamento comunitário, ao contrário dos 'descontos' concedidos a cinco países (Áustria, Dinamarca, Alemanha, Países Baixos e Suécia), que consideraram a sua contribuição para as finanças da UE desproporcionada em relação ao que recebem.  

Apesar de ser Grão-Ducado  ser dos países que menos verba vai receber, 93 milhões de euros já têm destino definido. Em março, o ministro das Finanças, Pierre Gramegna, anunciou que o Governo iria disponibilizar, no âmbito do plano Plano de Recuperação e Resiliência, 93 milhões de euros a projetos de  "coesão e resiliência social", "transição verde" e "digitalização, inovação e governança".

Além do Luxemburgo, já entregaram os seus planos a Bélgica, a Dinamarca, a Alemanha, a Grécia, a Espanha, a França, a Itália, a Letónia, a Hungria, a Áustria, a Polónia, a Eslovénia, a Eslováquia e Portugal, que foi o primeiro país a fazê-lo. Faltam ainda entregar  12 estados.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Luxemburgo é o país da União Europeia que mais dinheiro gastou em questão relacionadas com a ordem pública e segurança, de acordo com dados do Gabinete de Estatísticas da União Europeia (Eurostat) referentes a 2015.