Escolha as suas informações

OIT considera que Luxemburgo violou princípios da liberdade sindical
Economia 01.12.2022
Setor financeiro

OIT considera que Luxemburgo violou princípios da liberdade sindical

Setor financeiro

OIT considera que Luxemburgo violou princípios da liberdade sindical

Foto: Pierre Matgé/Luxemburger Wort
Economia 01.12.2022
Setor financeiro

OIT considera que Luxemburgo violou princípios da liberdade sindical

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
O maior sindicato do setor financeiro do Luxemburgo, a ALEBA, foi afastado das negociações das convenções coletivas do setor em 2021.

O maior sindicato do setor financeiro do Luxemburgo, ALEBA, voltou esta semana a exigir a sua reintegração nas negociações das convenções coletivas do setor. Para isso, o sindicato independente conta com um parecer da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que considera que o direito luxemburguês violou os princípios mais fundamentais em termos de liberdade sindical ao ter afastado o maior sindicato do setor financeiro.

O organismo internacional que defende os direitos laborais considera mesmo ser uma discriminação e pede ao Governo luxemburguês para garantir que a Associação Luxemburguesa dos Empregados de Bancos e Seguradoras (ALEBA)  ALEBA possa defender os seus membros nas negociações das convenções coletivas. 


Centrais sindicais acusam ALEBA de pôr em risco frente comum no setor financeiro
Os dois principais sindicatos nacionais lançaram esta quinta-feira mais um apelo à ALEBA para formar uma frente sindical comum.

O ministro do Trabalho afastou no ano passado o maior sindicato do setor financeiro das negociações das convenções coletivas do mesmo setor, a pedido da OGBL e da LCGB. 

Na altura, a ALEBA acusou as duas centrais sindicais de orquestrarem uma "manobra política" para monopolizar o setor. 

Agora, a OIT refere que o Luxemburgo favoreceu os sindicatos com representação nacional, em detrimento dos sindicatos mais específicos de uma determinada área de atividade.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Cerca de 600 trabalhadores do grupo SERVIOR arriscam-se a ver as suas condições de trabalho degradarem-se caso o governo avance com a privatização do setor de cuidados de saúde. O alerta é OGBL que manifesta o seu desagrado com a intenção do Executivo.