Escolha as suas informações

OGBL pede adaptação do subsídio de vida cara face ao aumento do preço da energia
Economia 12.10.2021
Energia

OGBL pede adaptação do subsídio de vida cara face ao aumento do preço da energia

Energia

OGBL pede adaptação do subsídio de vida cara face ao aumento do preço da energia

Foto: Pixabay
Economia 12.10.2021
Energia

OGBL pede adaptação do subsídio de vida cara face ao aumento do preço da energia

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Outro pedido é que seja instaurado um mecanismo de adaptação do subsídio de vida cara ao custo de vida.

 A central sindical OGBL reivindica que o subsídio de vida cara seja multiplicado por dois, à imagem do que aconteceu em 2020 para fazer face ao aumento dos preços da energia.

O aumento dos preços da energia também já se reflete no Luxemburgo. O preço do gás natural, por exemplo, aumentou de 30% entre janeiro e setembro deste ano. Também os preços dos combustíveis têm atingido valores recorde.

Segundo o sindicato, a isto acresce ainda o risco do preço da eletricidade aumentar nos próximos meses. Aumentos que, segundo a OGBL, têm prejudicado ainda mais os agregados familiares, já fragilizados pelos preços da habitação e do impacto da crise sanitária.


Cidadãos poderão ter dificuldades em pagar as contas no outono e no inverno.
Governo vai “apoiar as famílias mais desfavorecidas” contra a escalada dos preços da energia
No discurso do Estado da Nação, o primeiro-ministro, Xavier Bettel, anunciou o apoio aos mais desprotegidos face à subida dos preços na energia e também as apostas do Governo para maior independência energética e combate ao aquecimento global.

Ao contrário daquilo que já acontece noutros países, nomeadamente em França em que o Governo decidiu limitar os preços da energia, a central sindical critica o facto de no Luxemburgo não haver debate político sobre a matéria e não se saber se o governo tenciona tomar medidas.

Para a OGBL esta situação é a consequência da liberalização do mercado da eletricidade e do gás natural que ocorreu em 2007.Para evitar que o aumento dos preços da energia prejudique ainda mais as famílias, o sindicato reivindica medidas. Uma delas passa pela revalorização do subsídio anual de vida cara. À imagem do que aconteceu em 2020 devido à crise sanitária, a OGBL pede que o montante do subsídio duplique também este ano.

Outro pedido é que seja instaurado um mecanismo de adaptação do subsídio de vida cara ao custo de vida. Segundo o sindicato, este subsídio também deveria ser alargado a mais beneficiários. Bastando para isso rever os valores-limite dos rendimentos das famílias para poderem usufruir desta ajuda financeira.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Instabilidade dos mercados e especulação dos produtores está a fazer disparar o preço da eletricidade e eventuais cortes de abastecimento. A UE teme meses frios e de crise económica. A próxima cimeira europeia irá discutir o tema.