Escolha as suas informações

O custo de vida bate recordes no Luxemburgo
Economia 2 min. 26.06.2021
Consumo

O custo de vida bate recordes no Luxemburgo

Consumo

O custo de vida bate recordes no Luxemburgo

Photo: Shutterstock
Economia 2 min. 26.06.2021
Consumo

O custo de vida bate recordes no Luxemburgo

Os preços dos imóveis no Grão-Ducado são 70% mais altos do que a média europeia o que coloca o país no cimo da tabela, revela um novo estudo do Eurostat. Também as comunicações telefónicas e de internet são 50% mais caras.

(m.d. com John Monaghan) Embora o salário médio anual seja superior à média europeia, o custo de vida no Luxemburgo permanece elevado, mais do que na maioria dos países europeus. Comparando o custo de vida em 2020 em 30 países europeus, o último relatório do Eurostat mostra que o Grão-Ducado diferiria da média europeia em sete de cada dez áreas de estudo. O país ocupa assim o quarto lugar entre os estados mais caros, atrás da Noruega, Dinamarca e Suíça, onde os preços estão a subir em nove de cada dez áreas.

 E se o custo da habitação é um problema bem conhecido no Luxemburgo, forçando alguns luxemburgueses a mudarem-se eles próprios para o outro lado da fronteira, o Eurostat continua a pressionar o ponto. De acordo com a agência de estatísticas, os preços dos imóveis no Luxemburgo são 70% mais elevados do que a média da União Europeia, o que o torna o terceiro país mais caro da Europa em termos de custos de habitação.   


Residentes no Luxemburgo precisam de trabalhar quase 16 anos para poder comprar casa
À frente do Luxemburgo estão apenas três países, segundo um estudo divulgado pela OCDE.

Esta situação é amplamente criticada no país, apesar dos esforços do SNHBM e do Fundo de Habitação para criar habitações acessíveis. Esforços que poderiam ser comprometidos pela escassez de matérias-primas observada desde Abril.

Para além dos exorbitantes indicadores imobiliários, o Luxemburgo tem serviços telefónicos e de Internet que são 50% mais elevados do que a média da UE, em comparação com 25% para custos de alimentação e hotelaria. 


Habitação no Grão-Ducado com aumento recorde em 2020
No mesmo ano em que a crise económica se instalou no mundo devido à pandemia da covid-19, os preços das casas no Luxemburgo tiveram um aumento nunca antes registado.

Apenas os custos do tabaco e do álcool, dos transportes privados e dos transportes públicos são inferiores aos dos outros países examinados pelo Eurostat. Neste último caso, esta tendência é explicada pela livre utilização de comboios, autocarros e tram, desde Março de 2020. 

 Preços elevados, que não são compensados pelo nível dos salários, de acordo com um relatório do Statec publicado no início de Junho. De facto, se o salário anual bruto médio for de 64.932 euros, o poder de compra real é reduzido pelo custo de vida, e isto apesar de um aumento de 2,8% nos salários no início de 2021. Até ao final do ano, o Statec espera um novo aumento de 2,5% para acompanhar a inflação.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O preço louco da habitação está a obrigar os luxemburgueses a ir viver para os países vizinhos, e os seus habitantes a deixar de poder morar também na sua terra, como Arlon. O efeito bola de neve da habitação no Grão-Ducado tem diversas direções: filhos adultos a viver mais tempo com os pais, desigualdades a aumentar e o país a deixar de ser atrativo para os emigrantes.
Seja carne de vaca, de porco, frango ou cordeiro. Comprar carne no Luxemburgo implica gastar mais do que em praticamente todos os países da União Europeia (UE), revela um estudo do Eurostat.