Escolha as suas informações

Número de falências de empresas aumentou no primeiro semestre
Economia 11.07.2019

Número de falências de empresas aumentou no primeiro semestre

Número de falências de empresas aumentou no primeiro semestre

Economia 11.07.2019

Número de falências de empresas aumentou no primeiro semestre

Nos primeiros seis meses do ano, houve 628 empresas a fechar portas.

No primeiro semestre do ano, faliram 628 empresas no Luxemburgo, o valor mais elevado desde, pelo menos, 2011. E no que resta do ano, as falências devem aumentar ainda mais.

De acordo com um estudo divulgado hoje pela empresa de gestão de crédito Creditreform, o valor representa uma subida de 2,8% face às 611 insolvências registadas nos primeiros seis meses de 2018. No mesmo período de 2011, houve 452 empresas a fechar portas.

De acordo, com o CEO da empresa, Herbert Eberhard, tratam-se sobretudo de pequenas empresas, não havendo empresas conhecidas entre as falências. Por outro lado, é esperado o aumento do número de insolvências no segundo semestre. “O abrandamento económico, que afeta a Europa, vai atingir o número de falências no segundo semestre de 2019. Devemos esperar um aumento do número de insolvências neste semestre”, afirmou. Recorde-se que no total do ano passado, houve um recorde de empresas a fechar portas: totalizaram as 1.195.

O estudo conclui que há cada vez mais empresas com mais de cinco anos a fechar, representando mais de 78,8% do total. Pelo contrário, as empresas mais jovens estão mais resistentes: a percentagem no total de falências é de 21,2% menos do que os 23,4% do primeiro semestre de 2018.

Por setores, a maioria das falências ocorreu no setor dos serviços (432 insolvências), seguindo-se o comércio (128), construção (67) e em último lugar a produção (com apenas uma falência). No entanto, a construção é o setor onde as insolvências mais aumentaram: estas mais do que duplicaram no primeiro semestre do ano.


Notícias relacionadas

Em 2015: Falências aumentaram no Luxemburgo
O número tinha sido avançado em Janeiro pela instituição alemã Creditreform mas, só agora, foi oficialmente confirmado pela Secretária de Estado da Economia, Francine Closener. No ano passado, 873 empresas declararam falência no Luxemburgo, um aumento de 3,3% face a 2014.