Escolha as suas informações

Nobel: Stiglitz: “A austeridade foi um fracasso para Portugal"
Economia 2 min. 18.04.2016

Nobel: Stiglitz: “A austeridade foi um fracasso para Portugal"

O Nobel da Economia, Joseph Stiglitz, diz que a austeridade foi um fracasso em Portugal

Nobel: Stiglitz: “A austeridade foi um fracasso para Portugal"

O Nobel da Economia, Joseph Stiglitz, diz que a austeridade foi um fracasso em Portugal
Foto: Guy Jallay
Economia 2 min. 18.04.2016

Nobel: Stiglitz: “A austeridade foi um fracasso para Portugal"

A austeridade fiscal foi um fracasso para a economia portuguesa, disse à Lusa o Nobel da Economia Joseph Stiglitz ao comentar que a baixa perspectiva de crescimento da economia portuguesa este ano evidencia uma "calmaria antes da tempestade".

"A austeridade foi um fracasso para Portugal, como também representou para todos os outros países em que se tentou esta mesma política", criticou o economista norte-americano após participar do Fórum Fiscal que discutiu o sistema tributário internacional na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington.

O painel ocorreu nos Encontros de Primavera das instituições de Bretton Woods, nomeadamente Banco Mundial e FMI.

Na opinião do Nobel, o fracasso reflectiu-se nas eleições, quando 62% da população apoiou políticas anti-austeridade.

"Portugal não tem mais este programa e a situação (económica) estabilizou-se, porque Draghi [Mario], presidente do Banco Centra Europeu (BCE), puxou para baixo a taxa de juros. Mas se olharmos para os indicadores macroeconómicos como a dívida pública, eles estão pior agora do que antes", comentou.

Stiglitz mostrou-se céptico quanto aos sinais de recuperação económica da zona euro. O Banco Central Europeu afirmou no início de Abril que Portugal já apresentava visíveis indícios de recuperação e que a economia portuguesa está a crescer ao mesmo ritmo da zona euro.

"Penso que, não apenas para Portugal, mas para toda a zona do euro em geral, este é provavelmente um período de calmaria antes da chegada da tempestade. Não acredito que os problemas da zona do euro tenham sido resolvidos", analisou.

E concluiu que os choques que ainda decorrem do programa grego são "ilustrativos" de que a ajuda financeira externa "tida como uma solução", acabou não resolvendo.

"A questão agora é se a zona do euro será capaz de mudar as suas políticas. Se não conseguir mudar, a recuperação económica de Portugal levará bastante tempo, poderia ser até uma década", anunciou Stiglitz que atualmente é professor de economia, administração de empresas e negócios internacionais na Universidade de Columbia, em Nova Iorque.

A 6 de Abril de 2011 o então ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, anunciou que Portugal precisava de ajuda externa.

Cinco anos depois do pedido de resgate financeiro e quase dois anos após a sua conclusão, os números indicam que a situação financeira e económica do país melhorou em alguns indicadores, mas ainda não cumpre os parâmetros de referência de Bruxelas.

Portugal continua com um défice orçamental acima do limite definido pelas regras europeias, com uma dívida pública superior a 120% e com o desemprego acima de 10%. Já a dívida pública aumentou dos 111,4% do PIB em 2011 para os 128,8% no final do ano passado.

O FMI assinala que a Portugal apresenta um crescimento "modesto" e estima que a economia portuguesa vá abrandar este ano e em 2017. O PIB deve crescer 1,4% este ano e 1,3% em 2017.


Notícias relacionadas

Markit: Crescimento económico melhorou em fevereiro
O ritmo de crescimento económico na zona euro melhorou em fevereiro, até ao valor máximo em seis anos, e a criação de emprego foi a maior observada nos últimos nove anos, segundo uma estimativa divulgada pela Markit.