Escolha as suas informações

Ministro do Trabalho afasta sindicato ALEBA da representação do setor financeiro
Economia 05.03.2021 Do nosso arquivo online

Ministro do Trabalho afasta sindicato ALEBA da representação do setor financeiro

Ministro do Trabalho afasta sindicato ALEBA da representação do setor financeiro

Economia 05.03.2021 Do nosso arquivo online

Ministro do Trabalho afasta sindicato ALEBA da representação do setor financeiro

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
“É um triste dia para a liberdade sindical do Grão-Ducado”. É desta forma que a Associação Luxemburguesa dos Empregados de Bancos e Seguradoras (ALEBA) anunciou esta sexta-feira o seu afastamento da representatividade do setor financeiro.

“É um triste dia para a liberdade sindical do Grão-Ducado”. É desta forma que a Associação Luxemburguesa dos Empregados de Bancos e Seguradoras (ALEBA) anunciou esta sexta-feira o seu afastamento da representatividade do setor financeiro. O sindicato refere em comunicado que foi informado hoje da decisão do ministro do Trabalho, Dan Kersch, em retirar a sua representação setorial a pedido das centrais sindicais OGBL e LCGB.

Segundo refere a ALEBA, as centrais sindicais pediram o afastamento ao ministro em novembro de 2020, alegando o facto de a lei permitir a reivindicação em nome de todos os trabalhadores do setor financeiro apenas aos sindicatos com mais de 26% de votos nas empresas.

O sindicato do setor financeiro acusa a OGBL e a LCGB de orquestrarem uma “manobra política” para monopolizar este “importante setor de atividade do país, em que não têm a maioria de representantes”.

A ALEBA lembra ainda que nos últimos anos foi aliciada pelas duas centrais sindicais a juntar-se a elas, mas que sempre rejeitou os convites, considerando a sua independência como a melhor garantia de defesa dos interesses dos cerca de 10 mil membros e funcionários do setor.

Com 4 dos 8 assentos no grupo que representa o setor financeiro na Câmara dos Assalariados, a ALEBA refere que vai agora tomar medidas a nível nacional e internacional para que a sua “legítima representatividade seja reconhecida e restaurada”.

Até haver uma decisão sobre os recursos que deverão seguir, o sindicato refere que a decisão do ministro do Trabalho “não tem impacto na capacidade de defesa dos seus membros e funcionários do setor”. A ALEBA diz também que vai continuar a sua atividade sindical nas empresas através dos seus 700 delegados e a continuar a negociar os planos sociais ou convenções coletivas de que é signatária.

A ALEBA faz este ano 103 anos de existência enquanto organismo independente e exclusivamente de defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores do setor financeiro.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas