Escolha as suas informações

Média dos salários na construção não chega aos 50 mil euros por ano
Economia 2 min. 26.09.2022
Statec

Média dos salários na construção não chega aos 50 mil euros por ano

Statec

Média dos salários na construção não chega aos 50 mil euros por ano

Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Economia 2 min. 26.09.2022
Statec

Média dos salários na construção não chega aos 50 mil euros por ano

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Setor é o que tem os salários médios anuais mais baixos, na análise do Statec, e é o único onde as mulheres ganham mais que os homens. No que toca ao rendimento das famílias, fixa-se nos 5.716 euros por mês.

O montante médio anual dos salários da construção, em 2021, para um horário a tempo inteiro fixou-se nos 46.689 euros, revelam os dados da mais recente edição do 'Luxemburgo em números', do Statec.


Empresas europeias enfrentam crescente falta de trabalhadores
França e Espanha entre os países mais afetados. Na Áustria, há um recorde histórico de vagas de emprego.

A análise estatística das condições sociais no Grão-Ducado revelam que o setor da construção é aquele que tem a média anual salarial mais baixa entre as áreas laborais abordadas no estudo e o único onde o valor é inferior a 50.000 euros por ano.

Enquanto na construção a média anual é de 46.689 euros, na indústria ela corresponde a 55.871 euros, subindo na indústria e serviços para os 67.574 euros e nos serviços, aquele que é o setor com maior nível salarial, para os 71.898 euros.

Construção é a área em que as mulheres ganham mais do que os homens

Segundo o estudo do Statec, apesar da construção ser a área com o montante médio anual dos salários mais baixo e inferior a 50.000 euros, quando é analisado por sexo, o valor médio é diferente.

No caso do setor da construção, as mulheres ganham 50.198 euros por ano, ao passo que os homens auferem 46.401 euros. Esta área é, de resto, a única das quatro analisadas pelo Statec onde as mulheres ganham mais do que os homens.


Luxemburgo. Mais de 20% da população em risco de pobreza ou exclusão social em 2021
Já na UE, 21,7% da população estava em 2021 em risco de pobreza ou exclusão social.

Nas indústria, elas ganham 49.168, enquanto eles recebem 57.180 euros. Já na indústria e serviços, as mulheres auferem 63.481 euros anuais e os homens  69.837. Na área dos serviços, as mulheres ganham em média 64.429 euros, por comparação com os 77.261 auferidos pelos homens. 

Os serviços são o setor de atividade onde o gap salarial entre homens e mulheres é maior, ultrapassando os 12.800 euros (anuais) a favor do sexo masculino. 

Na construção, a diferença salarial favorece as mulheres mas é a menor das quatro áreas analisadas, não chegando aos 4.000 euros anuais. Na indústria e na indústria e serviços o gap é de cerca de 8.000 euros e de 6.300 euros, respetivamente. 

Rendimentos médios das famílias são de 5.716 euros por mês

Na análise das condições sociais dos residentes no Luxemburgo, o Statec revela ainda que o rendimento médio das famílias foi de 5.716 euros por mês em 2020.


Risco de pobreza e exclusão social é maior para os trabalhadores independentes
Portugal e Luxemburgo estão entre os dez países da União Europeia onde estes trabalhadores correm maior risco.

Na última década esse valor subiu 598 euros. Em 2010, as famílias do Grão-Ducado tinham um rendimento médio mensal de 5.118 euros.

A nível individual, os rendimentos mensais, em 2020, foram de  3.641 euros por adulto (mais 608 euros que em 2010).

Ainda de acordo com o Statec, o limiar de risco de pobreza na população luxemburguesa fixava-se nos 1.892 euros mensais, em 2020, estando 17,4% em risco de pobreza (mais 3% que em 2010 e mais 5,5% que em 2003).



O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas