Escolha as suas informações

Mais de 300 infrações às medidas sanitárias nas empresas no início da pandemia
Economia 13.01.2022
'Lei covid'

Mais de 300 infrações às medidas sanitárias nas empresas no início da pandemia

'Lei covid'

Mais de 300 infrações às medidas sanitárias nas empresas no início da pandemia

Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Economia 13.01.2022
'Lei covid'

Mais de 300 infrações às medidas sanitárias nas empresas no início da pandemia

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Muito antes do CovidCheck obrigatório nas empresas, a partir de 15 de janeiro deste ano, a Inspeção do Trabalho e das Minas detetou 356 infrações às regras sanitárias no início da pandemia.

Entre 18 de março de 2020, início do estado de crise, e 31 de dezembro de 2020, a Inspeção do Trabalho e das Minas (ITM) realizou 2.102 controlos ao respeito pelas medidas sanitárias. No total foram constatadas 356 infrações.  

Os dados foram divulgados pelo ministro do Trabalho em resposta parlamentar ao partido déi Lénk. Na maioria das infrações os empregadores não tinham informado os trabalhadores sobre as medidas em vigor ou não tinham assinalado devidamente as regras sanitárias. 

Entre 20 de março e 19 de abril de 2020, período em que os estaleiros de obras estiveram encerrados, a ITM efetuou ainda 3.207 controlos, tendo multado 18 empresas que não respeitaram o confinamento. No total, em 2020 a administração realizou 7.419 inspeções, sendo que houve um total de 2.105 multas, o correspondente a 8,9 milhões de euros.    


Quarentena de não vacinados descontada dos dias de férias? Diretor da UEL defende que sim
Atualmente quem não é vacinado e esteja em quarentena beneficia de uma baixa médica.

Segundo o ministro, a ITM vai estar atenta à introdução obrigatória do CovidCheck 3G nas empresas, a partir de 15 de janeiro deste ano. Assim, a partir do próximo sábado, os funcionários e trabalhadores que não estiverem vacinados terão de fazer um teste rápido e certificado na farmácia e apresentar resultado negativo, até 24 horas. Já os testes PCR terão validade de 48 horas. Segundo a União das Empresas Luxemburguesas (UEL), 90% dos trabalhadores do país estão vacinados. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Sindicalistas e até patrões consideram que a nova lei não é mais do que a vacinação obrigatória disfarçada. Uma medida "desnecessária" que dá poder aos empregadores para despedimentos. Aos não vacinados, sindicatos deixam alertas e conselhos.