Escolha as suas informações

Mais de 17% do emprego no Luxemburgo é em part-time
Economia 18.09.2019

Mais de 17% do emprego no Luxemburgo é em part-time

Mais de 17% do emprego no Luxemburgo é em part-time

Foto: Getty Images
Economia 18.09.2019

Mais de 17% do emprego no Luxemburgo é em part-time

Tomar conta dos filhos é o principal motivo apresentado para não ter um emprego a tempo inteiro.

Há 48 mil pessoas a trabalhar em part-time no Luxemburgo. O valor representa 17,5% do total do emprego. A maioria – 40 mil – das pessoas que está nesta situação é do sexo feminino.

O Eurostat publicou hoje dados comparativos sobre o trabalho em part-time na União Europeia (UE). A percentagem do Luxemburgo fica ligeiramente abaixo da média europeia, que é de 19% do emprego total, o que equivale a cerca de 40,6 milhões de pessoas. A Holanda é o país, com a maior percentagem: de 46,8%.

A percentagem de trabalhadores a meio tempo no Luxemburgo tem-se mantido constante ao longo dos anos, mas atingiu um pico em 2017, quando chegou quase aos 20% do total de emprego (19,4%).

O gabinete de estatísticas da UE quis perceber o motivo pelo qual os trabalhadores laboravam a meio tempo e não a tempo inteiro. Não conseguir um emprego a full-time e ter de tomar conta dos filhos foram os motivos mais preponderantes. No Luxemburgo, tomar conta dos filhos é mesmo a principal razão: com 29,4%, seguindo-se outras responsabilidades familiares, com 24,2%. Não encontrar emprego a tempo inteiro é avançado por 12,8% dos empregados com trabalho em part-time.

Na União Europeia, o principal motivo é o facto de não encontrarem um trabalho a tempo inteiro, logo seguido pelas obrigações familiares com os filhos.


Notícias relacionadas

Trabalhar por conta própria não convence no Luxemburgo
Trabalhar por conta própria não parece ser uma atividade muito apelativa no Luxemburgo, sobretudo para os nativos. O Eurostat divulgou hoje estatísticas sobre a tendência que os residentes nos vários Estados-membros têm para trabalhar por conta própria. No estudo, o gabinete de estatística da Comissão Europeia distingue entre nativos, migrantes que vêm de outros Estados da União Europeia (UE), e entre aqueles que vêm de fora da UE.