Escolha as suas informações

Luxemburgo vai pagar subsídio de desemprego aos trabalhadores transfronteiriços

Luxemburgo vai pagar subsídio de desemprego aos trabalhadores transfronteiriços

Foto: Pixabay
Economia 2 min. 21.03.2019

Luxemburgo vai pagar subsídio de desemprego aos trabalhadores transfronteiriços

Os cerca de 180 mil transfronteiriços só receberão, contudo, subsídios do Grão-Ducado a partir de 2026.

Após três anos de discussões, a questão dos apoios aos desempregados dos trabalhadores transfronteiriços foi finalmente objeto de uma decisão final. Na quarta-feira, foi encontrado um acordo entre a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu para que a partir de 2021 os trabalhadores transfronteiriços recebam uma indemnização não através do país onde residem, mas pelo país em que fazem os descontos para a Segurança Social. 

No comunicado oficial a medida é apresentada como mais equitativa e que "garante uma melhor cooperação entre Estados-membros para garantir o acesso às prestações sociais e combater as fraudes fiscais e os erros".

Cerca de 180 mil transfronteiriços

Apesar da decisão e da maioria dos 1,3 milhões de trabalhadores transfronteiriços registados nos 28 Estados-membros passar a receber os apoios dos países em que descontam já daqui a dois anos, no Luxemburgo isso não será assim: os 180 mil trabalhadores transfronteiriços que trabalham no Grão-Ducado, residentes em França (100 mil), Alemanha (40 mil) e Bélgica (40 mil), só receberão subsídios do Luxemburgo a partir de 2026.

Contactado pela edição francesa do Luxemburger Wort, o Ministério do Trabalho justifica o atraso na implementação da decisão, devido à "complexidade do dossier" e não confirma ainda os resultados deste acordo. 

Consequências financeira

Em junho passado, Philippe Manenti, presidente do Comité de Defesa da Iniciativa dos Transfronteiriços do Luxemburgo (CDIFL), indicava que o Luxemburgo transferia para França, país de residência da maioria dos trabalhadores transfronteiriços, "uma compensação que correspondia a três meses de subsídio de desemprego e que atingia um montante de cerca de 20 milhões de euros por ano".

O que significa que esta decisão europeia tornará maios onerosa os encargos da Segurança Social luxemburguesa, podendo implicar, segundo o jornal francês Les Echos, o pagamento de subsídios a cerca de 30 mil desempregados. Tal decisão poderá implicar a necessidade de reformar o sistema de Segurança Social do Grão-Ducado.  

Apesar desses apoios só poderem ser dados a trabalhadores que tenham trabalhado pelo menos seis meses no Grão-Ducado, segundo indica a lei luxemburguesa, a alteração das regras vai levar a um aumento da despesa da Segurança Social do país.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Fronteiriços franceses são menos bem pagos do que os alemães ou belgas
Os trabalhadores fronteiriços franceses são os menos bem pagos, comparativamente com os alemães e com os belgas. O motivo? É que, por norma, os fronteiriços franceses trabalham em setores menos bem remunerados como a restauração e hotelaria (Horesca), comércio e o trabalho temporário (intérim).