Escolha as suas informações

Luxemburgo. Temos produtos com os preços mais caros da Europa. Saiba quais são.
Economia 5 min. 19.06.2020

Luxemburgo. Temos produtos com os preços mais caros da Europa. Saiba quais são.

Luxemburgo. Temos produtos com os preços mais caros da Europa. Saiba quais são.

Foto: Guy Wolff
Economia 5 min. 19.06.2020

Luxemburgo. Temos produtos com os preços mais caros da Europa. Saiba quais são.

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Um estudo do Eurostat compara o preço de uma série de bens entre 31 países da Europa. Há artigos e setores que possuem preços muito elevados em relação aos outros países.

O Eurostat comparou os preços de vários consumos e produtos entre 31 países da Europa e o Grão-Ducado está entre os primeiros lugares em vários setores e na maior parte das vezes acima da média europeia.

O estudo de comparação é relativo a 2019, ou seja, sobre uma Europa ainda se crise pandémica e sem a economia em recessão.

Os preços mais altos da Europa

Sabe o leitor quais são os produtos que o Grão-Ducado apresenta os preços mais altos de toda a Europa? Mobiliário e tapeçaria. Móveis para todas as divisões da casa e carpetes, tapetes e afins. Qualquer reparação está excluída. O país encontra-se no primeiro lugar do ranking dos 31 países, com 124,3%, ou seja, com preços 24,3 % mais elevados do que a média europeia. A Islândia (114,6%) e a Itália) estão em segundo e terceiro lugar. Se desejar comprar o mobiliário mais barato da Europa tem de ir até à Bulgária, onde é 50,6% mais barato do que a média europeia. Contudo, a Alemanha (97%) , aqui ao lado, já apresenta preços 3% abaixo da média, a França já mais cara com móveis e carpetes a preços 4% acima da média e a Bélgica também mais cara, 8% acima da média europeia.

Despesas mais elevadas

As despesas mensais que os habitantes do Luxemburgo têm com a habitação, desde a renda, ao pagamento da água, luz, gás, ou de manutenção também se encontram entre as mais elevadas dos 31 países da Europa, surgindo o país em quarto lugar (169,8%). Estas despesas são quase 70% (68,9%) superiores à média europeia.  A liderar a tabela está a Suíça (192,6%), seguindo-se a Irlanda (176,9%) e o Reino Unido (172,4).


Cidade do Luxemburgo é a 83ª mais cara do mundo em custo de vida
O estudo global da Mercer para expatriados é liderado por Hong Kong. Só três cidades europeias estão no top 10, sendo todas suíças.

A alimentação é outra das despesas elevadas dos habitantes do Luxemburgo (125,4%) em comparação com a Europa. A carne, peixe, frutas, legumes, leite, ovos, queijo, pão e cereais tem o quarto custo mais caro dos 31 países europeus, numa tabela que é liderada pela Suíça (166,3%). Noruega (155,2%) e Islândia (141,3%). À frente do Luxemburgo está ainda a Dinamarca (128,9%). Contudo, a vizinha Alemanha (101,4%) volta a ser uma boa opção para fazer as compras do mês, ou dos frescos da semana, pois os preços são apenas 1,4 % superiores à média europeia, contra os 25,4% do Grão-Ducado.

Comparar cultura, hotéis e vestuário

Ao nível da cultura e do lazer o Luxemburgo (117%) ocupa a 7ª posição, encontrando-se ainda entre os 10 países mais caros. A Suíça (158,7%) é o país onde estes setores têm os custos mais elevados da Europa, quase 60% acima da média. A Islândia (157,8%) e a Noruega (153,6%) vêm a seguir. Neste campo é a Roménia o país onde a cultura e o lazer são as atividades mais baratas da Europa, sendo 48% mais baratas do que a média.

Pernoitar num hotel ou ir jantar fora, ou conversar com amigos tomando uma refeição leve num café ou esplanada também não é barato no Grão-Ducado quando comparamos com o resto da Europa. Ao nível da hotelaria e restauração o país aparece no 8º lugar (122,7%), sendo a Islândia (176,4%), o país que apresenta os preços mais altos, seguido da Noruega (166,5%) e Suíça (166,1%). Mais uma vez o país mais barato para se hospedar num hotel e apreciar uma refeição num restaurante é a Bulgária, com preços 54,6% mais baixos do que a média.


Nova subida da gasolina 95 e do gasóleo
A gasolina sem chumbo 95 vai passar a custar 1,056 euros por litro, a partir da meia-noite.

O prazer de ir às compras e adquirir um vestido novo ou umas sapatilhas que estão na moda, implica um gasto elevado. Em matéria de vestuário ou calçado os preços do Grão-Ducado são também elevados em relação à média dos países europeus, situando-se o Luxemburgo (107,8%) em 8º lugar entre os 31 países. O líder da roupa e calçado mais caros é a Islândia (138,6%) , seguida da Dinamarca (131,6%) e Noruega (125,5%) .No entanto, basta atravessar a fronteira e ir até à Alemanha onde os preços destes produtos são muito mais baratos, situando-se mesmo abaixo da média europeia (1,3%).A Bulgária volta a ser o país mais barato.

Os custos das comunicações são elevados no país. O Luxemburgo (118,9%) é também o 8º país mais caro. A Grécia (165,9%), Espanha (149,1%)  e a Bélgica (146,7%) lideram neste setor dos serviços de telefone e internet, e compra de equipamentos. A Polónia é quem apresenta os preços mais baratos, 46% mais baixos do que a média europeia.

Há também custos abaixo da média

No entanto há setores onde o Grão-Ducado apresenta preços abaixo da média europeia. Nas bebidas alcoólicas e tabaco, com preços 3,9, inferiores à média, ao passo que a Noruega (237,1%) possui os valores mais elevados da Europa. A vizinha França é o 7º país com os preços mais caros destes produtos, 26% mais altos que a média europeia, razão pela qual muitos franceses vêm ao Luxemburgo comprar estes produtos. Os belgas e os Alemães também têm preços acima da média, embora mais baixos.


Saiba que preços mais subiram este ano nos supermercados
Os indicadores confirmam que houve aumento dos preços dos produtos alimentares em relação ao ano passado.

Também o mercado automóvel é mais barato do que muitos países. O custo dos automóveis, ou de veículos de duas rodas é 3,1% inferior à média europeia. A Alemanha está mesmo na média, mas a França e a Bélgica têm preços mais altos. O país com os preços mais caros é a Dinamarca (137,8%), e o mais barato a Eslováquia (82%). Veja aqui as diferenças entre os países, segundo o estudo do Eurostat.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas