Escolha as suas informações

Luxemburgo precisa de 300 mil trabalhadores até 2030
Economia 3 min. 24.01.2023
UEL

Luxemburgo precisa de 300 mil trabalhadores até 2030

Todos os setores já se confrontam com falta de mão-de-obra, alerta a UEL.
UEL

Luxemburgo precisa de 300 mil trabalhadores até 2030

Todos os setores já se confrontam com falta de mão-de-obra, alerta a UEL.
Foto: Pierre Matgé
Economia 3 min. 24.01.2023
UEL

Luxemburgo precisa de 300 mil trabalhadores até 2030

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A União das Empresas Luxemburguesas alerta para a crescente falta de trabalhadores no país, sobretudo de profissionais qualificados.

Já são vários os setores com falta de trabalhadores e sem candidatos a oferecerem-se para colmatar as necessidades das empresas. O setor da Horeca, com a restauração no topo da lista, é um deles. 

O facto de o salário mínimo no Luxemburgo ser o mais alto da Europa e dos residentes possuírem o maior poder de compra da UE, ou mesmo o facto de o Luxemburgo ser o país mais rico do mundo em 2023, de acordo com as estimativas do Fundo Monetário Internacional, não têm sido motivos suficientes para atrair o número de profissionais que o país necessita, sobretudo no que diz respeito aos qualificados.


Luxemburgo é o país mais rico do mundo em 2023
Segundo a classificação do Produto Interno Bruto (PIB) per capita.

Por outro lado, as regalias fiscais da vizinha França estão a "roubar" trabalhadores ao Grão-Ducado que necessita de ser tornar mais atrativo no mercado de trabalho internacional, alerta a União das Empresas Luxemburguesas (UEL).

A já visível falta de trabalhadores, que afeta "os empregadores do país, de todos os setores" continuará a intensificar-se nos próximos anos, avisa o organismo no Primeiro Barómetro de Emprego realizado junto das agências de recrutamento e que foi apresentado esta terça-feira.

No geral, "para 55% das empresas a falta de trabalhadores qualificados é o principal obstáculo ao seu desenvolvimento económico em 2023" realça o documento, salientando que 70% das empresas do setor artesanal já se confronta com falta de funcionários. 

Segundo a Chambre des Métiers, "o país terá de recrutar 1.700 trabalhadores qualificados nos próximos 12 meses para satisfazer a procura dos clientes".

E a médio prazo precisará de muitos mais.

Mais atrativo

Segundo as perspetivas da UEL, até 2030 o país terá de recrutar 300 mil trabalhadores, com substituição dos que saem, incluindo os que se reformam, lê-se no documento. 

Para ter sucesso nas transições digitais e ambientais necessárias, as empresas precisam de ter trabalhadores qualificados, reiteram.

O Luxemburgo precisa de se converter num mercado de trabalho atrativo a nível internacional, nomeadamente em países não europeus, onde pode recrutar os talentos que irá necessitar, considera ainda.


Os mecânicos são alguns dos profissionais em falta no mercado de trabalho luxemburguês.
As oito profissões que precisam urgentemente de trabalhadores
Um estudo do LISER, da ADEM e do Jobfirst examinou os oito grupos de postos de trabalho que não requerem um diploma universitário e que escasseiam.

"O barómetro mostra uma necessidade real de adaptar tanto a organização do trabalho como o quadro fiscal [do país] para atrair o talento necessário para o Luxemburgo", acrescenta.   

O custo da habitação e os problemas de mobilidade no país são dois fatores negativos na atratividade dos trabalhadores residentes no estrangeiro, realça o documento.

Muitas ofertas e salário inferior

Atualmente, 91% dos candidatos possuem demasiadas ofertas de trabalho e esta é simultaneamente a principal dificuldade de recrutamento sentida pelas empresas. A segunda é a salarial, onde as expectativas dos candidatos são de um ordenado superior ao oferecido, de acordo com o barómetro.

O salário é o principal fator de atratividade para um trabalhador, no entanto, logo a seguir estes elegem a flexibilidade e a qualidade de vida (teletrabalho, localização, escritórios satélites) -  prioridades que estão muito próximas da ambição salarial.

Fuga de talentos é outro dos problemas

O país debate-se ainda com uma fuga de talentos, especialmente para França. A maior parte dos candidatos opta por este país vizinho devido aos enormes esforços fiscais que o país tem feito para atrair profissionais. É então necessário que o Grão-Ducado possa oferecer um quadro fiscal para continuar competitivo no mercado de talentos, indica o barómetro.


Mais de 40.000 trabalhadores fronteiriços belgas atravessam diariamente a fronteira do Grão-Ducado no caminho para o trabalho.
Quatro em dez transfronteiriços deixariam o emprego devido ao tempo de viagem
Quase metade dos trabalhadores do Luxemburgo vive além fronteiras e o tempo de viagem é citado por quase metade dos empregados como um obstáculo à atratividade do Grão-Ducado.

"A prioridade será a capacidade do nosso país de atrair, formar e mobilizar os talentos de amanhã", declarou recentemente Jean-Paul Olinger, diretor da UEL, que realizou este barómetro em colaboração com os membros da Federação de Recrutamento, Pesquisa e Seleção (fr2s). 

Com a UEL partilhamos a ambição de dar a conhecer o mercado de trabalho luxemburguês para além da Grande Região e de atrair os talentos que permitam às empresas fazer face aos desafios económicos que lhes são impostos", acrescentou Gwladys Costant, vice-presidente da fr2s. 

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.