Escolha as suas informações

Luxemburgo mantém salário mais elevado da UE, mas custo de vida leva quase tudo
Economia 3 min. 02.06.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo mantém salário mais elevado da UE, mas custo de vida leva quase tudo

Luxemburgo mantém salário mais elevado da UE, mas custo de vida leva quase tudo

Economia 3 min. 02.06.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo mantém salário mais elevado da UE, mas custo de vida leva quase tudo

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
Custo de vida elevado acaba por diluir o acréscimo do rendimento que se recebe no Luxemburgo. Apesar dos salários serem elevados o poder de compra não está ajustado ao custo de vida.

O Luxemburgo continua a ser o  país da União Europeia (UE) com o salário médio mais elevado. Em média ganha-se 64 mil euros, por ano, no país, um valor que representa quase o dobro do rendimento médio da UE.  Um rendimento superior que é explicado, em parte, "pela estrutura atípica de emprego". No Grão - Ducado,  o setor financeiro e as seguradoras, que praticam remunerações mais elevadas, empregam "cerca de 22% da população, contra 8% na Bélgica, 9% na Alemanha e 11% em França", escreve-se no relatório do organismo de estatísticas do Luxemburgo divulgado hoje. "O facto de o centro financeiro (e todos os serviços que giram à sua volta) ocuparem uma maior percentagem de emprego do que noutros países, combinado com o facto de nestes serviços a maioria dos empregados ter graus mais elevados, é um dos principais factores que explicam o elevado salário médio pago no Luxemburgo", explicou ao Contacto Paul Reiff, coordenador do estudo do Statec. Outra explicação, adianta este invetigador, é o facto de "os salários médios serem mais elevados do que nos países vizinhos não só em actividades financeiras, mas também na saúde e trabalho social, administração pública e educação".

Este estudo revela, ainda, em contrapartida, que o setor da construção, onde se praticam salários mais baixos,  com 11% dos trabalhadores, é um empregador importante no Luxemburgo, comparando com a média dos países da UE onde este setor representa apenas 5% dos trabalhadores.

Preços elevados absorvem acréscimo salarial

Mas se tivermos em conta o custo médio de vida, o poder de compra dos diferentes países europeus altera a ordenação dos países nesta lista. "O salário médio bruto anual no Luxemburgo, expresso em Paridade do Poder de Compra (PPC), o rendimento médio no Luxemburgo representa apenas 145% do rendimento médio dos 27 países da UE. Comparando com os países vizinhos, o salário médio em França representa 67% do salário médio luxemburguês, na Bélgica representa 71% e na Alemanha 84%.1. 

Um cenário que resulta se compararmos "o salário bruto expresso em euros e o corrigido pelo Paridade de Poder de Compra, que é uma moeda fictícia que tem em conta que o custo de vida é mais elevado nalguns países do que noutros. O fosso entre o Luxemburgo e os outros países diminui consideravelmente se o custo de vida for tido em conta. O rácio entre o Luxemburgo e a Bulgária (que tem o salário médio mais baixo da Europa) é de 8 para 1 em euros, mas é apenas de 3 para 1 com padrões de poder de compra", acrescenta Paul Reiff, do Statec.

No rendimento por hora de trabalho Luxemburgo ultrapassado

Se o critério utilizado for o valor bruto, pago por hora, em Paridade de Poder de Compra, a Suíça fica na liderança da tabela com 22,9 euros, seguindo-se Londres com 21,9, Dinamarca com 20,9 e Hamburgo com 20,7. Nesta tabela o Luxemburgo desce para o 7° lugar com um valor médio pago por hora de 19,4 euros. Paul Reif adianta que "embora a nível de país o salário horário bruto médio seja mais elevado no Luxemburgo (com excepção da Dinamarca) - há várias regiões na Europa com salários mais elevados do que no Luxemburgo, por exemplo, Île de France, Baviera, Hamburgo".

Desigualdade de salários maior no Grão-Ducado

Em termos de comparação europeia, a distribuição de salários "é mais desigual no Luxemburgo com 17 estados-membro a apresentarem uma distribuição mais igualitária", pode ler-se no relatório. 

Desigualdade salarial entre homens e mulheres mais baixa no Luxemburgo

Se tivermos em conta, a diferença salarial entre homens e mulheres, o Luxemburgo tem a percentagem mais baixa (1,4%). Em média, nos países da União Europeia, elas ganham menos 16% que eles.  A Alemanha lidera esta tabela com os homens a ganharem, em média, mais 20% que as mulheres.

 

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas