Escolha as suas informações

Luxemburgo entre os países da UE com menos trabalhadores imigrantes com contrato temporário
Economia 2 min. 26.05.2021

Luxemburgo entre os países da UE com menos trabalhadores imigrantes com contrato temporário

Luxemburgo entre os países da UE com menos trabalhadores imigrantes com contrato temporário

Foto: Shutterstock
Economia 2 min. 26.05.2021

Luxemburgo entre os países da UE com menos trabalhadores imigrantes com contrato temporário

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Segundo dados do Eurostat, o Grão-Ducado foi em 2020 o terceiro país com menor percentagem de trabalhadores nascidos num outro Estado-membro da UE a terem um emprego temporário.

O Luxemburgo é o terceiro país da União Europeia (UE), com a percentagem mais baixa de trabalhadores imigrantes, de outro Estado-membro, com contrato temporário, indica um estudo lançado, esta quarta-feira, 26 de maio, pelo Eurostat.

De acordo com gabinete de estatísticas europeu, em 2020, 6,8% dos trabalhadores nascidos noutro país da UE e a laborar no Grão-Ducado tinham um trabalho temporário - a terceira percentagem mais baixa neste grupo de trabalhadores, a seguir à Hungria (4,2%) e à Irlanda (6,6%).


Estudo. Maioria dos trabalhadores quer regressar ao local de trabalho
Um estudo levado a cabo pela empresa Randstad dá conta que a maioria dos trabalhadores está otimista apesar do contexto pandémico e económico.

No extremo oposto, a percentagem de pessoas nascidas noutro Estado-membro da UE a trabalhar num emprego temporário foi maior em Espanha (27,0%), seguida dos Países Baixos (19,3%) e da Itália (18,3%).

O Eurostat refere que, em 2020, 13,8% dos trabalhadores temporários eram trabalhadores nascidos num Estado-membro diferente daquele onde exerciam a sua atividade profissional. Uma percentagem que sobe para 20,3%, entre os trabalhadores nascidos fora da União Europeia, e que desce para 11,8% quando esses trabalhadores são nativos do próprio país.  

Em comparação com 2019, as percentagens em 2020 revelaram um decréscimo em todos os grupos: menos 1,5 pontos percentuais (pp) nos trabalhadores temporários nascidos fora da UE, menos 1,4 pp nos trabalhadores nascidos noutro Estado-membro da UE e menos 1,2 pp nos trabalhadores nativos. 

Portugal entre os países com mais trabalhadores temporários

Segundo o Eurostat, em 2020, a percentagem mais elevada de trabalhadores nascidos fora da UE com contratos temporários foi registada na Polónia (40,6%), seguida de Chipre (35,8%), Espanha (35,1%), Portugal (26,8%) e Suécia (25,2%). Em contrapartida, a percentagem mais baixa foi observada na Estónia (2,1%), seguida pela Áustria (6,9%), Hungria (7,2%) e Irlanda (7,5%). 

Já a percentagem de trabalhadores temporários no total de trabalhadores nativos foi a mais elevada em Espanha (21,8%), seguida pela Polónia (17,9%) e por Portugal (16,6%). Por outro lado, as percentagens mais baixas registaram-se na Lituânia (1,1%), Roménia (1,2%), Estónia (2,6%), Letónia (2,7%) e Bulgária (3,5%).

No que respeita ao Luxemburgo, a percentagem de nativos com contrato temporário é de 6,3%, subindo para 11,3% no que se refere aos trabalhadores imigrantes, nascidos fora da UE, cerca de metade dos 20,3% da média comunitária

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Trabalhar por conta própria não parece ser uma atividade muito apelativa no Luxemburgo, sobretudo para os nativos. O Eurostat divulgou hoje estatísticas sobre a tendência que os residentes nos vários Estados-membros têm para trabalhar por conta própria. No estudo, o gabinete de estatística da Comissão Europeia distingue entre nativos, migrantes que vêm de outros Estados da União Europeia (UE), e entre aqueles que vêm de fora da UE.
No Luxemburgo, 9% dos trabalhadores entre os 15 e os 64 anos tinham um contrato a termo certo no ano passado. Esta é a décima taxa mais baixa entre os países da União Europeia (UE) e fica muito abaixo da média, que é de 14,3%.