Escolha as suas informações

Luxemburgo com défice de 1,6 mil milhões de euros nos primeiros meses do ano
Economia 2 min. 25.05.2020

Luxemburgo com défice de 1,6 mil milhões de euros nos primeiros meses do ano

Luxemburgo com défice de 1,6 mil milhões de euros nos primeiros meses do ano

Foto: Pierre Matgé
Economia 2 min. 25.05.2020

Luxemburgo com défice de 1,6 mil milhões de euros nos primeiros meses do ano

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Pierre Gramegna, ministro das Finanças, apresentou esta segunda-feira de manhã à comissão parlamentar a situação orçamental do Luxemburgo no final do primeiro quadrimestre de 2020.

Durante os primeiros três meses de 2020, a evolução das receitas e despesas da administração central revela os primeiros sinais de crise.

O Ministro das Finanças, Pierre Gramegna, apresentou uma situação orçamental deteriorada devido ao coronavírus, com um défice de 1,6 mil milhões de euros. 

Pierre Gramegna, Ministro das Finanças
Pierre Gramegna, Ministro das Finanças
Guy Wolff

Em comunicado, o Governo revelou que, nos primeiros quatro meses do ano, as receitas diminuíram 8,4% enquanto as despesas aumentaram 28,5%, principalmente devido a medidas destinadas a manter a economia em funcionamento. Em relação a 2019, as receitas diminuíram 0,8% e as despesas aumentaram 19,4% em relação a 2019.  

Em comparação com um terço do orçamento votado para 2020, as receitas são 12% inferiores às previsões, enquanto as despesas são 8% superiores, "o que conduz a uma deterioração significativa do saldo orçamental", de acordo com o documento citado na RTL. 

Os impostos sobre as empresas foram reduzidos em cerca de 23% em comparação com o mesmo período de de 2019. O IVA diminuiu 17%. Foram efetuados reembolsos no montante de 734 milhões de euros, a fim de proporcionar liquidez às empresas. Este montante é superior em 160 milhões de euros ao do mesmo período em 2019. 

As receitas aduaneiras e os impostos especiais de consumo foram também fortemente afectados pelo confinamento e pelo encerramento parcial das fronteiras. Por exemplo, as vendas de gasóleo diminuíram 22% e as de gasolina 19%. 

 No final, o aumento das despesas é o resultado das medidas ligadas à crise, com um envelope total de 2,2 mil milhões de euros, ao qual se devem acrescentar 700 a 800 milhões de euros para as novas medidas anunciadas na semana passada. As despesas com o trabalho a tempo reduzido continuam a ser as maiores, com 566 milhões de euros. 

No final de abril, o saldo da administração central apresenta um défice de 1,6 mil milhões de euros. Para o Ministro das Finanças Pierre Gramegna, "graças à posição de partida favorável das nossas finanças públicas, foi possível colocar em prática medidas em tempo recorde para responder à crise da melhor forma possível". No entanto, estas numerosas medidas estão a ter um "impacto significativo nas nossas finanças públicas", disse. 

 "Temos de acompanhar atentamente a sua evolução e continuar a encontrar o equilíbrio certo" entre o estímulo e o investimento, por um lado, e a prudência fiscal, por outro, acrescentou o ministro. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Luxemburgo: 2015 teve um excedente de 796 milhões de euros
As contas orçamentais do Luxemburgo foram melhores do que o esperado em 2015. O anúncio foi feito pelo ministro das Finanças, Pierre Gramegna, que apresentou a Conta geral do Estado de 2015 perante a comissão de Finanças e Orçamento no Parlamento.
14.7. IPO / PK Wohnungsbau und Klimabank / Pierre Gramegna Foto.Guy Jallay