Escolha as suas informações

Luxemburgo: 873 empresas faliram em 2015, mais 3,3% do que em 2014
Economia 2 min. 22.01.2016 Do nosso arquivo online

Luxemburgo: 873 empresas faliram em 2015, mais 3,3% do que em 2014

Luxemburgo: 873 empresas faliram em 2015, mais 3,3% do que em 2014

Foto: Guy Jallay
Economia 2 min. 22.01.2016 Do nosso arquivo online

Luxemburgo: 873 empresas faliram em 2015, mais 3,3% do que em 2014

As falências aumentaram no Luxemburgo 3,31% em um ano, segundo a empresa alemã de aconselhamento e informação financeira Creditreform.

As falências aumentaram no Luxemburgo 3,31% em um ano, segundo a empresa alemã de aconselhamento e informação financeira Creditreform.

Pela primeira vez desde 2012 "o número de falências em 2015 aumentou ligeiramente em relação ao ano anterior, o que contraria a tendência europeia do momento", pode ler-se na nota de imprensa que a Creditreform emitiu esta sexta-feira.

Registaram-se 873 falências em 2015, um ligeiro aumento de 3,31% em relação a 2014, ano em que foram declaradas 845 falências.

O sector dos serviços foi o mais afectado, com 508 falências em 2015, mais 8,09% do que em 2014, o que representa 58,19% do total das empresas que fecharam.

O ramo da construção foi o que registou o maior aumento de falências, +30%, com 90 empresas a fecharem portas, quando em 2014 tinham sido 70.

Inversamente, em 2015 o sector do comércio foi o menos afectado, com menos 10,03% de insolvências do que no ano anterior, 260 em vez de 289.

O sector da produção voltou a ser o que registou o menor número de falências, representando apenas 1,60% do total, tendo registado um recuo de 12,50% em um ano.

A quantidade de empresas com mais de cinco anos de existência que faliram (578) também aumentou, de 63,31 para 66,21%, ainda segundo este estudo. O número de empresas com menos de cinco anos que fecharam recuou ligeiramente, de 310 em 2014 para 295 em 2015.

Entre as falências mais importantes a registar em 2015 houve a OR.TP (90 despedimentos e um volume de negócios de 14 milhões de euros), Imprimerie Fr. Faber, de Mersch (110 empregos e um volume de negócios de 12,5 milhões) e a WPS-Luxembourg (75 trabalhadores e um volume de negócios de 8,9 milhões), destaca ainda a Creditreform.

Por região, a zona centro foi a que registou o maior aumento de falências, 759 em 2015 contra 691 em 2014. Esta é também a região que mais empresas conta no país. No mesmo período, na zona de Diekirch, as falências recuaram 26%, de 154 para 114, tratando-se neste caso quase sempre de "negócios de família", pequenas ou médias empresas (PME) do sector do comércio e dos serviços.

Segundo a Creditreform, o número de falências deverá continuar a aumentar em 2016 no Grão-Ducado, rondando as 900 por ano.


Notícias relacionadas

Em 2015: Falências aumentaram no Luxemburgo
O número tinha sido avançado em Janeiro pela instituição alemã Creditreform mas, só agora, foi oficialmente confirmado pela Secretária de Estado da Economia, Francine Closener. No ano passado, 873 empresas declararam falência no Luxemburgo, um aumento de 3,3% face a 2014.