Escolha as suas informações

Kiev diz que UE está a pagar "a dobrar" e pede veto à energia russa
Economia 2 min. 16.05.2022
Guerra na Ucrânia

Kiev diz que UE está a pagar "a dobrar" e pede veto à energia russa

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba.
Guerra na Ucrânia

Kiev diz que UE está a pagar "a dobrar" e pede veto à energia russa

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba.
Foto: AFP
Economia 2 min. 16.05.2022
Guerra na Ucrânia

Kiev diz que UE está a pagar "a dobrar" e pede veto à energia russa

Lusa
Lusa
“Sancionar o gás e o petróleo russos é do interesse da Europa, não só da Ucrânia”, assegurou o chefe da diplomacia ucraniana.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano pediu hoje à União Europeia que vete as importações de petróleo e gás russos e criticou-a por “pagar a dobrar”, comprando energia a Moscovo e financiando o envio de armas a Kiev.

“A UE está a pagar a dobrar. Primeiro, apoiando a Ucrânia e, a seguir, pagando à Rússia, e depois tem que voltar a pagar pela destruição do território ucraniano pelas armas russas. Não é assim que deveria acontecer”, declarou Dmytro Kuleba à chegada à reunião que os ministros dos Negócios Estrangeiros europeus hoje realizam em Bruxelas.

“Sancionar o gás e o petróleo russos é do interesse da Europa, não só da Ucrânia”, assegurou o chefe da diplomacia ucraniana.

Kuleba reúne-se hoje com os seus homólogos da UE e com a ministra dos Negócios Estrangeiros do Canadá, Mélanie Joly, que também se deslocou a Bruxelas, para debater os últimos acontecimentos da invasão russa da Ucrânia e o apoio do Ocidente a Kiev.


Energia. Pode a UE ser realmente independente?
Dada a sua dimensão, o Luxemburgo é, juntamente com Malta e a Bélgica, o maior importador de energia da Europa. O que pensam estes Eurodeputados sobre a independência da UE neste sector?

“Todos temos curiosidade por ver como termina esta saga”, disse Kuleba sobre o sexto pacote de sanções da UE à Rússia, que prevê um veto às importações de petróleo russo em seis meses e petróleo refinado em oito meses, e que a Hungria, a Eslováquia e a República Checa estão a bloquear devido à sua elevada dependência da energia russa.

Estes três países pedem que se lhes dê mais um ano que aos restantes parceiros (até 31 de dezembro de 2023) para deixarem de importar petróleo russo e que Bruxelas financie as infraestruturas necessárias para adquirirem crude a partir de outros países.

O ministro ucraniano debaterá também a candidatura da Ucrânia de adesão à UE, depois de Kiev ter entregado na semana passada à Comissão Europeia o formulário que devem preencher todos os Estados que aspiram a fazer parte do bloco comunitário europeu.

  "Agradecido por 30.000 toneladas de ajuda humanitária"   

“Pensamos que agora é o momento certo, e trabalharemos com todos os Estados-membros da UE e com a Comissão Europeia para conseguir resultados positivos para tornar a UE mais forte, mais segura, mais próspera a longo prazo”, disse Kuleba.

O responsável também debateu a adesão com o comissário europeu da Vizinhança e Alargamento, o húngaro Oliver Varhelyi, tendo ainda aproveitado a visita a Bruxelas para se reunir com o comissário europeu da Economia, o italiano Paolo Gentiloni, com quem falou sobre a futura reconstrução do seu país.

“Seguindo a iniciativa do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, convidei a UE a liderar a reconstrução de uma das regiões ucranianas devastadas pela guerra”, escreveu o MNE ucraniano na rede social Twitter, acrescentando que o bloco europeu “também apoiará a recuperação económica da Ucrânia e uma maior integração de bens e serviços no mercado único da UE”.

Por último, Kuleba indicou que se reuniu com o comissário europeu da Gestão de Crises, o esloveno Janez Lenarcic, com quem discutiu as formas de mitigar as consequências da guerra iniciada pela Rússia na Ucrânia a 24 de fevereiro, incluindo a desminagem humanitária.

“Agradecido por 30.000 toneladas de ajuda humanitária, o apoio ao Serviço Estatal de Emergências ucraniano”, escreveu o chefe da diplomacia ucraniano, acrescentando que espera receber Lenarcic no seu país.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A poucos dias, ainda não se sabe e os diplomatas vão ter nova reunião no domingo. O que se sabe é que num conselho dedicado à crise energética, segurança alimentar e militar provocadas pela guerra na Ucrânia, Zelensky fará uma intervenção por vídeo. O secretário-geral da União Africana, Macky Sall, é outro dos convidados por causa da fome que a falta de cereais pode provocar em África.
Ao fim de cerca de cinco horas de discussão, os líderes dos 27 países da UE assinaram uma declaração onde ao mesmo tempo se garante apoio à Ucrânia e ao desejo de Zelensky de pertencer à União Europeia, mas de maneira nenhuma há um compromisso sobre a Ucrânia entrar já na EU.
Os Chefes de Estado e de Governo da União Europeia UE sentam-se juntos numa reunião informal de dois dias no Palácio de Versalhes.