Escolha as suas informações

Juncker bloqueou medidas da União Europeia contra evasão fiscal
Economia 02.01.2017

Juncker bloqueou medidas da União Europeia contra evasão fiscal

Esta é mais uma revelação que ensombra a presidência de Juncker na Comissão Europeia.

Juncker bloqueou medidas da União Europeia contra evasão fiscal

Esta é mais uma revelação que ensombra a presidência de Juncker na Comissão Europeia.
Foto: Gerry Huberty
Economia 02.01.2017

Juncker bloqueou medidas da União Europeia contra evasão fiscal

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, bloqueou durante o período em que foi primeiro-ministro do Luxemburgo, os esforços da União Europeia para evitar o planeamento fiscal agressivo e a evasão fiscal por parte das multinacionais.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, bloqueou durante o período em que foi primeiro-ministro do Luxemburgo, os esforços da União Europeia para evitar o planeamento fiscal agressivo e a evasão fiscal por parte das multinacionais.

As provas constam de telegramas diplomáticos alemães revelados e citados pelo The Guardian.

A oposição a determinadas medidas foi feita no âmbito de um comité constituído na Comissão Europeia para tratar o código de conduta fiscal das multinacionais com o objetivo de evitar a competitividade agressiva entre Estados-membros.

Entre as medidas que mereceram a oposição do Luxemburgo estava a proposta para submeter os acordos fiscais aos restantes Estados-membro e a norma que propunha a revisão da regra de unanimidade que impera no comité.

Esta é mais uma revelação que ensombra a presidência de Juncker na Comissão Europeia. Recorde-se que quando iniciou funções em Bruxelas, rebentou o escândalo Luxleaks, que divulgou centenas de acordos fiscais feitos entre o Governo luxemburgês e multinacionais que lhes permitiram pagar quantias próximas de zero de imposto.


Notícias relacionadas

Gramegna: Número de acordos fiscais desce em 2016
O número de acordos fiscais atingiu os 459 no ano passado, uma redução face aos 599 feitos em 2015. Os números constam da resposta dada pelo ministro das Finanças, Pierre Gramegna, a uma questão parlamentar do CSV.
Foram assinados 377 acordos fiscais no ano passado.