Escolha as suas informações

Irlanda contesta formalmente decisão de Bruxelas sobre impostos não cobrados à Apple
Economia 08.11.2016 Do nosso arquivo online

Irlanda contesta formalmente decisão de Bruxelas sobre impostos não cobrados à Apple

Irlanda contesta formalmente decisão de Bruxelas sobre impostos não cobrados à Apple

Foto: REUTERS
Economia 08.11.2016 Do nosso arquivo online

Irlanda contesta formalmente decisão de Bruxelas sobre impostos não cobrados à Apple

A Irlanda vai contestar formalmente, na quarta-feira, a decisão da Comissão Europeia, que a 30 de agosto ordenou a Dublin a recuperação de 13 mil milhões de euros de impostos não cobrados à Apple, refere a Bloomberg.

A Irlanda vai contestar formalmente, na quarta-feira, a decisão da Comissão Europeia, que a 30 de agosto ordenou a Dublin a recuperação de 13 mil milhões de euros de impostos não cobrados à Apple, refere a Bloomberg.

“O Governo discorda fundamentalmente da análise da Comissão Europeia e a decisão não deixa outra opção ao executivo que não seja a de apresentar um recurso junto dos tribunais europeus, e esse recurso será submetido na quarta-feira”, afirmou hoje o ministro das Finanças irlandês, Michael Noonan, no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

O recurso do Governo irlandês que será apresentado no Tribunal Europeu, no Luxemburgo, vai somar-se a vários recursos já apresentados por outros países europeus que receberam as mesmas indicações por parte da Comissão Europeia, sobre esta matéria.

No passado dia 30 de agosto, a Comissão Europeia concluiu que a Irlanda concedeu benefícios fiscais ilegais à Apple, ordenando a Dublin que recupere 13 mil milhões de euros à empresa tecnológica norte-americana por impostos não cobrados entre 2003 e 2014.

Na sequência desta decisão, a Irlanda tem agora de recuperar os auxílios ilegais concedidos à Apple, ao abrigo das regras da União Europeia (UE) em matéria de auxílios estatais, pois permitiu à Apple pagar substancialmente menos impostos do que outras empresas.

Na altura, Dublin e a Apple anunciaram que tencionavam recorrer desta decisão. “A investigação da Comissão concluiu que a Irlanda concedeu vantagens fiscais ilegais à Apple, o que lhe permitiu pagar substancialmente menos impostos do que outras empresas ao longo de muitos anos”, disse na altura a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.

“Este tratamento seletivo permitiu à Apple pagar uma taxa efetiva de imposto sobre as sociedades relativamente aos seus lucros europeus que baixou de 1% em 2003 para 0,005% em 2014”, salientou então a comissária.

Nesse mesmo dia, o Governo português afirmou que a Autoridade Tributária (AT) vai averiguar se a decisão sobre a empresa tecnológica norte-americana Apple poderá dar origem à liquidação de quaisquer impostos que devessem ter sido pagos em Portugal.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

As inspeções feitas pelo Fisco luxemburguês resultaram na exigência de mais de 4,3 milhões de euros em impostos. Os números constam do relatório de atividades da Administração das Contribuições Diretas relativo a 2016.