Escolha as suas informações

Inflação nos 1,8% aumenta pressão sobre BCE
Economia 31.01.2017 Do nosso arquivo online
Zona euro

Inflação nos 1,8% aumenta pressão sobre BCE

European Central Bank (ECB) President Mario Draghi reacts during a news conference at the ECB headquarters in Frankfurt, Germany, April 21, 2016.   REUTERS/Ralph Orlowski
Zona euro

Inflação nos 1,8% aumenta pressão sobre BCE

European Central Bank (ECB) President Mario Draghi reacts during a news conference at the ECB headquarters in Frankfurt, Germany, April 21, 2016. REUTERS/Ralph Orlowski
REUTERS
Economia 31.01.2017 Do nosso arquivo online
Zona euro

Inflação nos 1,8% aumenta pressão sobre BCE

A inflação da zona euro subiu para os 1,8% em janeiro, aproximando-se da meta de 2% imposta pelo Banco Central Europeu (BCE).

A inflação da zona euro subiu para os 1,8% em janeiro, aproximando-se da meta de 2% imposta pelo Banco Central Europeu (BCE). Esta subida vai dar mais créditos aos críticos das políticas de juros baixos do BCE e colocar mais pressão no presidente daquela instituição, Mario Draghi, para começar a retirar os estímulos já este ano.

A evolução dos preços na região da moeda única bateu as estimativas dos analistas da Bloomberg, que esperavam um aumento para os 1,5%. Em dezembro de 2016, a inflação tinha ficado nos 1,1%. Esta foi a maior evolução desde o início de 2013 e fica a dever-se sobretudo ao aumento dos preços do petróleo, cuja tendência de subida se baseia no acordo para cortar a produção de crude, conseguido no final do ano passado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Os analistas preveem agora que as críticas contra as políticas do BCE subam de tom, bem como os apelos para que os juros comecem a subir. Mario Draghi tem mantido os juros em níveis historicamente baixos para tentar que o dinheiro circule na economia e o consumo e os preços aumentem. Draghi, tem dado sinais contrários às críticas, afirmando que as políticas de estímulo são para manter enquanto for necessário. Para Draghi, a subida da inflação não é ainda sustentada e é necessário ter certezas antes de retirar os estímulos à economia da moeda única.

Uma das alas mais críticas é precisamente a Alemanha, que divulgou dados sobre a inflação na segunda-feira. Os preços subiram 1,9% em janeiro, o ritmo mais elevado desde julho de 2013.


P.C.S.


Notícias relacionadas

A inflação manteve-se estável nos 1,3% em julho na zona euro, face a junho. De acordo com o Eurostat, a energia deu o maior contributo, de 2,2%, seguido da componente serviços, com 1,5%.
O valor dá força aos argumentos do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi.
A taxa de inflação da zona euro desceu para os 1,5% em março, depois de em fevereiro se ter fixado nos 2%. A queda foi superior à esperada pelos analistas, que previam que ficasse nos 1,8%.
O Banco Central Europeu (BCE) manteve hoje as taxas de juro inalteradas bem como o programa de ativos. A decisão anunciada pelo presidente da instituição, Mario Draghi, já era esperada pelos analistas.
O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, manteve o programa de estímulos à economia da zona euro.