Escolha as suas informações

Indexação. Salários e pensões devem subir 2,5% no final do ano
Economia 08.05.2019

Indexação. Salários e pensões devem subir 2,5% no final do ano

Indexação. Salários e pensões devem subir 2,5% no final do ano

Foto: Getty Images/iStockphoto
Economia 08.05.2019

Indexação. Salários e pensões devem subir 2,5% no final do ano

A indexação inclui também o salário mínimo qualificado e o não qualificado.

Os salários e pensões devem subir 2,5% no último trimestre deste ano. A previsão não é nova, mas o instituto de estatística luxemburguês (Statec) voltou hoje a publicar a estimativa na nota com as previsões para a inflação anual. No pior dos cenários, os aumentos só chegam nos primeiros três meses de 2020.

A indexação salarial e das pensões é ativada a partir do momento em que a inflação acumulada (desde a última indexação) atinge um determinado nível. O instituto de estatística faz três cálculos, um cenário mais positivo, um cenário central e outro menos positivo. O cenário central e o mais positivo apontam para que a indexação seja desencadeada no quarto trimestre de 2019. Por sua vez, na hipótese mais negativa não chega a haver aumentos este ano. Se este cenário se confirmar, os aumentos chegam apenas no primeiro trimestre de 2020.

Depois de um longo período em que não houve indexação, esta voltou a ser desencadeada em janeiro de 2017 e novamente em agosto de 2018. A indexação traduz-se num aumento dos salários e pensões e inclui também o salário mínimo qualificado e o não qualificado.

Também hoje o Statec revelou dados sobre a taxa de inflação anual, que deverá situar-se nos 1,8% este ano e em 1,6% em 2020. A descida prevista para o próximo ano deve-se, sobretudo ao impacto da entrada em vigor da gratuitidade dos transportes públicos.

Paula Cravina de Sousa


Notícias relacionadas

Indexação. Novos aumentos devem chegar no último trimestre de 2019
Os próximos aumentos dos salários e pensões (por efeito da indexação) devem chegar no último trimestre de 2019. No entanto, o instituto de estatística luxemburguês (Statec) avisa que a data concreta é ainda muito incerta: no pior dos cenários pode nem sequer haver lugar a aumentos no próximo ano, segundo as previsões publicadas hoje.