Escolha as suas informações

Impostos: Bruxelas investiga GDF Suez por benefícios fiscais concedidos pelo Luxemburgo
A comissária da Concorrência, Margrethe Vestager, está a investigar os benefícios fiscais concedidos pelo Luxemburgo a empresas do grupo ENGIE

Impostos: Bruxelas investiga GDF Suez por benefícios fiscais concedidos pelo Luxemburgo

Foto: Reuters
A comissária da Concorrência, Margrethe Vestager, está a investigar os benefícios fiscais concedidos pelo Luxemburgo a empresas do grupo ENGIE
Economia 19.09.2016

Impostos: Bruxelas investiga GDF Suez por benefícios fiscais concedidos pelo Luxemburgo

A Comissão Europeia anunciou que vai investigar alegadas ajudas de Estado dadas pelo Luxemburgo a empresas do grupo francês ENGIE, o antigo GDF Suez.

A Comissão Europeia anunciou que vai investigar alegadas ajudas de Estado dadas pelo Luxemburgo a empresas do grupo francês ENGIE, o antigo GDF Suez.

O Ministério das Finanças considera que a empresa não recebeu qualquer tratamento fiscal especial nem qualquer vantagem selectiva.

A notícia surge um dia depois de o Financial Times ter revelado que a McDonald's poderá ter de pagar cerca de 450 milhões de euros no Luxemburgo em impostos que não foram pagos. Em causa estão benefícios fiscais que Bruxelas pode considerar ilegais. Em vez de aplicar taxas de 27% sobre os lucros, o Luxemburgo cobrava taxas de 1,5% à cadeia de fast-food.

Recentemente, Bruxelas condenou também a Apple a pagar 12,5 mil milhões de euros por acordos fiscais feitos na Irlanda que permitiam à multinacional poupar milhares de milhões em impostos.


Notícias relacionadas

Engie. Governo luxemburguês recorre de decisão de Bruxelas junto dos tribunais
O Governo luxemburguês vai contestar a decisão da Comissão Europeia sobre a elétrica Engie. No final de junho, Bruxelas considerou ilegais os acordos fiscais feitos entre a empresa francesa e o Grão-Ducado que permitiram reduzir a fatura fiscal do grupo. O Luxemburgo teria, por isso, de recuperar os 120 milhões de euros que deixou de receber em impostos. No entanto, o Executivo considera que os acordos fiscais respeitam a lei em vigor na altura.
Bruxelas diz que o Luxemburgo concedeu ajudas fiscais ilegais à Engie
Antevê-se mais um braço de ferro entre Luxemburgo e a Comissão Europeia por causa de acordos fiscais feitos entre o Estado e multinacionais. A Comissão Europeia quer que o Luxemburgo recupere mais 120 milhões de euros em impostos que não foram pagos pela empresa francesa Engie. O Governo não tem o mesmo entendimento e diz que a elétrica foi taxada de acordo com as regras aplicáveis na altura.