Escolha as suas informações

Horesca quer prolongamento do 'desemprego parcial covid' até junho de 2021
Economia 08.10.2020

Horesca quer prolongamento do 'desemprego parcial covid' até junho de 2021

Horesca quer prolongamento do 'desemprego parcial covid' até junho de 2021

Foto: Gerry Huberty/Luxemburger Wort
Economia 08.10.2020

Horesca quer prolongamento do 'desemprego parcial covid' até junho de 2021

Diana ALVES
Diana ALVES
A Horesca quer que o regime especial de desemprego parcial, em vigor até ao fim do ano para ajudar as empresas afetadas pela crise atual, seja prolongado até 2021.

O secretário-geral da federação, François Koepp, apelou a uma "resposta clara" por parte do Governo, de forma a evitar despedimentos maciços no setor. François Koepp diz que essa resposta deve passar por exemplo pelo prolongamento do regime atual de desemprego parcial no mínimo até junho de 2021. 

O responsável defende que "mais vale manter os trabalhadores ao abrigo do desemprego parcial, para que venham trabalhar de vez em quando, do que atirá-los para o desemprego, de onde poderão não voltar a sair", afirmou em declarações à Rádio Latina. Koepp sublinha que países como Alemanha, Áustria e França já prolongaram os seus regimes de desemprego parcial até ao fim de 2021 nos setores do turismo e da Horesca, dois mais afetados pela crise pandémica.

Recorde-se que o Governo decidiu implementar um regime de desemprego parcial 'especial covid' para ajudar as empresas na retoma económica e compensar pelo encerramento forçado durante o estado de emergência. Segundo as modalidades em vigor até ao fim do ano, o Estado continua a assegurar 80% dos salários durante o período em que a empresa está ao abrigo da medida. 

O regime permite em alguns casos que as empresas avancem com despedimentos. Mesmo assim, de uma forma geral o número de despedimentos tem sido atenuado pelo desemprego parcial, que, segundo o Instituto Nacional de Estatística luxemburguês (Statec), continua a abranger milhares de pessoas. Segundo o instituto o número de trabalhadores abrangidos pelo regime de desemprego parcial era mais de 20.000 em outubro, cerca de 5% do total. 


Desemprego parcial. Saiba porque é que as empresas vão ter que devolver 334 milhões
Em causa estão os subsídios de desemprego parcial pagos indevidamente pelo Estado às empresas, esclarece Tom Hoswald, coordenador-geral do Ministério do Trabalho, Emprego e Economia Social.

Ainda segundo o Statec, os setores da Horesca, turismo e organização de eventos terão perdido cerca de 2.000 empregos entre fevereiro e maio deste ano. François Koepp, por seu lado, diz que a Horesca não dispõe para já de dados concretos sobre o número de pessoas que terão ficado sem trabalho, mas deixa o aviso: "se não reagirmos, vamos ter de despedir".  

(Diana Alves, jornalista do Contacto e Rádio Latina)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas