Escolha as suas informações

Há novos apoios para empresas que promovem formação profissional
Economia 30.11.2020

Há novos apoios para empresas que promovem formação profissional

Há novos apoios para empresas que promovem formação profissional

Foto: Anouk Antony
Economia 30.11.2020

Há novos apoios para empresas que promovem formação profissional

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O Governo decidiu criar novos apoios financeiros para encorajar as empresas a acolher jovens em formação profissional.

O ministro da Educação e Formação Profissional, Claude Meisch, já apresentou o projeto de lei (7661) em sede de comissão parlamentar. Desta forma, as empresas podem já começar a planear as vagas para estágios até 15 de setembro de 2021. O projeto de lei prevê um subsídio de 1.500 euros para todos os contratos já existentes até 15 de julho de 2020. A ajuda financeira sobe para 3.000 euros para os contratos concluídos a partir de 16 de julho de 2020. 

Nestes dois casos o montante pode ainda ser aumentado em 1.500 euros por estágiário se o número de aprendizes na empresa for superior ao dos anos anteriores. De salientar que os estágios podem durar até três anos. 

O Governo prevê ainda um subsídio de 5.000 para as empresas que retomem um contrato de aprendizagem profissional rescindido após 24 de junho de 2020. Várias empresas tiveram de cancelar estágios devido à crise atual, o que criou um desequilíbrio na oferta e na procura, lamentou Claude Meisch.  Nomeadamente na área da mecânica automóvel, há mais pedidos de jovens do que ofertas de formação disponíveis. Daí ser importante, segundo Meisch, orientar os jovens no momento da escolha de uma formação profissional. 


Mais de 30 mil trabalhadores vão ser abrangidos pelo desemprego parcial
O Comité de Conjuntura deu luz verde a cerca de 3.800 pedidos de empresas ao mecanismo especial covid, que estará em vigor até ao final do ano.

O ministro da Educação informou ainda aos deputados que o Orçamento de Estado para 2021 prevê um aumento de 6,1% das verbas na área da educação em comparação com o ano anterior.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas