Escolha as suas informações

Há mais ajudas financeiras para as empresas luxemburguesas
Economia 2 min. 18.12.2020

Há mais ajudas financeiras para as empresas luxemburguesas

Há mais ajudas financeiras para as empresas luxemburguesas

Foto: Tom Weller/dpa
Economia 2 min. 18.12.2020

Há mais ajudas financeiras para as empresas luxemburguesas

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
A Câmara dos Deputados aprovou um novo pacote financeiro para cobrir os custos fixos e compensar os patrões pelo aumento do salário social mínimo. Para médias e grandes empresas o subsídio pode chegar aos 200 mil euros. Também há novidades no desemprego parcial.

Anunciadas pelo ministro das Classes Médias e do Turismo, as medidas que pretendem apoiar as empresas sediadas no Grão-Ducado foram aprovadas, esta quinta-feira, no Parlamento. O objetivo é compensar os setores mais afetados pela crise sanitária, nomeadamente o turismo e a restauração. 

Não é para todos 

Embora exclua empresas consideradas recentes - só as empresas com atividade em 2019 são elegíveis ao apoio- o novo subsídio mensal foi pensado para cobrir parte dos custos fixos dos proprietários como é o caso das rendas e dos fornecedores. Quer isto dizer que, depois de terem recebido apoios naquela que foi considerada a primeira vaga da pandemia, as empresas do setor da restauração, turismo, eventos, cultura e entretenimento vão receber uma nova ajuda financeira sob a forma de subvenção mensal.

Além de terem de mostrar e comprovar a entrada e a saída de dinheiro da caixa no ano passado, as empresas só podem solicitar o apoio se tiverem sofrido um prejuízos de 40%, em comparação ao ano anterior, entre o período de 1 de novembro de 2020 a 30 de março de 2021. 

Para os cálculos do montante a atribuir, o Estado têm em conta a dimensão da empresa. O limite máximo do subsídio mensal é de 20 mil euros para micro empresas - menos de 10 empregados - , 100 mil para pequenas empresas - 10-50 empregados - e 200 mil euros para médias - 50 a 250 trabalhadores -  e grandes empresas (mais de 250 empregados). 

As candidaturas são feitas online. 

Pagar e receber

Mais há mais medidas para compensar os patrões dos efeitos da pandemia. Além do novo apoio à atividade, os proprietários também vão receber um bónus para compensar o aumento do salário mínimo previsto para o arranque do próximo ano. Anunciada em novembro, a subida de 2,8% vai ser compensada com até 500 euros à cabeça. Quer isto dizer que, por cada trabalhador que receba a remuneração mínima nacional, o Governo pretende atribuir um envelope. 

O montante a atribuir será calculado com base no número de trabalhadores a tempo inteiro, contratados antes de 31 de dezembro de 2020, a receber o salário legal mais baixo que o país instituiu para os horários de 8 horas por dia. 

A compensação é exclusiva para os setores considerados vulneráveis. Note-se que, no Grão-Ducado, à exceção do setor financeiro e imobiliário, todos os outros setores sofreram, e continuam a sofrer perdas substâncias associadas à pandemia do novo coronavírus. 

Novidades no desemprego parcial 

De acordo com o comunicado que chegou às redações no encerramento da reunião do Comité Económico e Financeiro, foi acordado que as empresas que são forçadas a manter as suas portas fechadas devido às medidas que estão previstas, pelo menos, até 15 de janeiro, possam beneficiar de mais tempo para requerem os apoios que acompanham o desemprego parcial. 

Assim, agora, até 30 de dezembro as empresas que ainda não tenha solicitado o regime ainda o podem fazer através da página MyGuichet.lu.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Mais de um milhão em lay-off só em Portugal
O Estado português está a assegurar o salário a mais de um milhão de trabalhadores. Das cerca de 70 mil empresas que recorreram ao regime simplificado, 18 mil são do setor da hotelaria e restauração.