Escolha as suas informações

Grupo hoteleiro Accor pondera despedir 1.000 trabalhadores a nível mundial
Economia 04.08.2020

Grupo hoteleiro Accor pondera despedir 1.000 trabalhadores a nível mundial

Grupo hoteleiro Accor pondera despedir 1.000 trabalhadores a nível mundial

Economia 04.08.2020

Grupo hoteleiro Accor pondera despedir 1.000 trabalhadores a nível mundial

Lusa
Lusa
Porta-voz do grupo francês adiantou que a redução vai acontecer, maioritariamente, entre 2020 e 2021, embora sem esclarecer os países que serão afetados.

O grupo hoteleiro Accor confirmou hoje que pondera despedir mil trabalhadores em todo o mundo, entre um universo de 18.000, após ter registado um prejuízo de 1.512 milhões de euros no primeiro semestre de 2020.

O grupo francês alcançou um lucro de 141 milhões de euros no mesmo período de 2019 e assumiu a possibilidade de reduzir o número de empregos diretos, incluindo os que trabalham para cadeias como a Íbis, a Sofitel ou a Pullman, adiantou um porta-voz da Accor à EFE.

O mesmo responsável adiantou também que a redução vai acontecer, maioritariamente, entre 2020 e 2021, embora sem esclarecer os países que serão afetados.


Covid-19. Hotéis luxemburgueses prejudicados com recente aumento de infeções
Sector do turismo é um dos mais afetados com a crise provocada pela covid-19.

A medida consta de um plano da Accor para reduzir as despesas fixas em 200 milhões de euros até 2022, face ao impacto causado pela pandemia de covid-19.

A hipótese de redução do número de trabalhadores surgiu após a Accor ter faturado 917 milhões de euros no primeiro semestre de 2020, menos 52,4% face ao período homólogo de 2019, acrescentou a empresa num comunicado que atribui a causa desses resultados ao impacto provocado pelo novo coronavírus.

A faturação dos serviços hoteleiros do grupo francês caiu 52,4%, para 650 milhões de euros, enquanto as receitas com ativos imobiliários caíram 54,4%, para 237 milhões.


Luxemburgo. Residentes pretendem poupar nos gastos mais caros
O economista Vicent Hein propõe diversas medidas, como o estado apoiar com "dinheiro" os mais pobres, ou pagar em cheques consumo parte dos salários altos.

Já o volume de negócios com atividades do grupo consideradas "novas", como aluguer de residências de luxo, vendas privadas de quartos e serviços digitais para hotelaria, caiu 40,3%, para 46 milhões.

"O golpe sofrido pela nossa indústria é de uma violência sem precedentes. [...] Deixámos para trás o pico da crise, mas a recuperação será progressiva", salientou o diretor executivo da Accor, Sébastien Bazin, em comunicado.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.