Escolha as suas informações

Governo norte-americano proíbe agências de comprarem equipamento à Huawei
Economia 08.08.2019

Governo norte-americano proíbe agências de comprarem equipamento à Huawei

Governo norte-americano proíbe agências de comprarem equipamento à Huawei

Foto: AFP
Economia 08.08.2019

Governo norte-americano proíbe agências de comprarem equipamento à Huawei

A medida reflete a crescente preocupação em Washington sobre a penetração de tecnologia chinesa no país, perante o potencial para servir os serviços de espionagem de Pequim.

A administração norte-americana proibiu as agências governamentais de comprarem equipamentos à chinesa Huawei, implementando uma medida do Congresso que considera as empresas chinesas uma ameaça à segurança, perante as crescentes tensões entre os dois países.

Além da Huawei, a medida abrange outra empresa de telecomunicações, a ZTE, os fabricantes de câmaras de vigilância Hikvision e Dahua, e o grupo Hytera, que produz rádios bidirecionais.

Na quarta-feira, a Huawei afirmou que a medida "não é inesperada", mas classificou-a de "barreira comercial baseada num país de origem, que adota uma ação punitiva sem qualquer evidência de erro".

A medida reflete a crescente preocupação em Washington sobre a penetração de tecnologia chinesa no país, perante o potencial para servir os serviços de espionagem de Pequim.

Washington tem pressionado vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei na construção de infraestruturas para redes móveis de quinta geração (5G), acusando a empresa de estar sujeita a cooperar com a espionagem chinesa.

Em maio passado, o Presidente norte-americano, Donald Trump, emitiu uma ordem executiva para obrigar as empresas do país que obtenham uma licença para vender tecnologia crítica à Huawei, num golpe que se pode revelar fatal para o grupo.

Após ter acordado com o homólogo chinês, Xi Jinping, um período de tréguas na guerra comercial que desencadeou no verão passado, Trump disse ter aceitado aliviar algumas restrições à Huawei. Mas as tréguas foram curtas.

Após o secretário do Tesouro e o representante para o Comércio norte-americanos, Steven Mnuchin e Robert Lighthizer, regressarem das negociações com a delegação chinesa, liderada pelo vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, Trump anunciou novas taxas alfandegárias sobre bens importados da China, pondo efetivamente fim à trégua.

Entretanto, Pequim ordenou às empresas chinesas que suspendam a compra de produtos agrícolas norte-americanos.

A regra que proíbe a Huawei de assinar contratos com o Governo norte-americano entra em vigor em 13 de agosto.

Lusa


Notícias relacionadas

China. Todas as empresas que obedecerem às sanções de Trump irão para uma lista negra
"As empresas, organizações e particulares estrangeiros que não obedecerem às regras do mercado, que se afastam do espírito de um contrato, que impõem embargos ou param de fornecer empresas chinesas por razões não comerciais e danificam gravemente os seus interesses e direitos legítimos serão colocados numa lista de entidades não confiáveis", disse o porta-voz do Ministério do Comércio da China, Gao Feng.