Escolha as suas informações

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise
Economia 2 min. 18.03.2020

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise

Foto: Guy Jallay
Economia 2 min. 18.03.2020

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
O ministro das Finanças deverá apresentar um pacote de medidas para ajudar as empresas a sobreviver neste tsunami económico provocada pela pandemia de Covid – 19 . As bolsas estão a descer a pique na última semana.

 O apoio às empresas, afetadas pela crise do Covid – 19, pode chegar aos 500 mil euros para cada empresa. O financiamento às empresas em dificuldade vai, assim, duplicar, relativamente ao inicialmente previsto. 

O conselho de ministros deverá, ainda, decidir “quais são os setores que vão beneficiar desta ajuda excecional”. Porque a crise “começou pelo turismo mas vai abranger muitos sectores da economia”, acrescenta. Para responder à crise que está a afetar as empresas, o “Governo optou por um projeto de lei para dar liquidez às Pequenas e Médias Empresas (PME’s) através de um adiantamento recuperável”, declarou ao Contacto.

As empresas afetadas “poderão ainda pedir o desemprego parcial”, o que significa que 80% do salário dos trabalhadores abrangidos é assegurado pelo Estado.

Prejuízos de milhões

Só o setor da hotelaria e restauração deverá ter um prejuízo de 120 milhões de euros por mês no Luxemburgo. Em causa está o encerramento ao público dos espaços comerciais não essenciais. A medida abrange 14.000 trabalhadores.

O secretário-geral da federação que representa o ramo da hotelaria e da restauração, François Koepp, reconheceu, em declarações à Rá dio Latina que “o Executivo não teve escolha” e disse compreender a decisão, embora admita que se trata de “medidas muito graves para o setor”, que poderão “colocar em perigo um grande número de empresas que não têm os meios financeiros necessários para fazer face à situação”.

“O sector do turismo foi o primeiro a ser afetado por esta crise, mas é muito difícil avaliar o impato porque tudo dependerá da sua duração” afirmou em declarações ao Contacto a chefe de gabinete do Ministro das Classes Médias e do Turismo.

Poderemos entrar em recessão? “Tudo depende da duração deste período excecional, mas é muito dificil prever o estado da economia dentro de dois ou três meses. Temos que avaliar dia a dia”, acrescenta Françoise Schlink.

“Choque” na economia do Luxemburgo

Se o cenário de recessão global se confirmar “o choque da economia luxemburguesa será comparável ao choque negativo da crise das dívidas soberanas da zona euro, de 2012/2013” alertou o STATEC.

Caso se confirme a hipótese de uma recessão global nos primeiros seis meses deste ano, como prevê a Oxford Economics, deveremos assistir a um cenário de “forte baixa no comércio mundial, quebra no investimento e nos mercados bolsistas e uma grave crise agravada pelo espalhar do novo vírus”. O alerta é feito pelo Organismo de Estatísticas do Luxemburgo (STATEC) numa nota emitida esta segunda-feira.

Se este cenário se confirmar “o choque da economia luxemburguesa será comparável ao choque negativo da crise das dívidas soberanas da zona euro, de 2012/2013” alerta o STATEC. Neste caso o crescimento do PIB luxemburguês “deverá cair para 0,7% em 2020 e 1,7% em 2021, um choque amplificado por uma quebra superior a 10% dos indicadores dos mercados bolsistas”.

O clima económico já não era dos melhores. “A epidemia do coronavírus surge num contexto conjuntural já dominado por um abrandamento da economia, quase generalizado, à escala mundial”, pode ler-se no relatório. 


Notícias relacionadas

Covid-19. Despedimentos em massa no final da crise?
Num confinamento que não se sabe quando terminará, muitos se questionam sobre o futuro pós-covid-19 e o consequente regresso à normalidade. As questões relacionadas com o emprego e como se vai portar a economia do país são de particular pertinência sobre os próximos tempos que muitos temem vir a ser sombrios.
Ainda vai ter de esperar pela próxima indexação
Os trabalhadores e pensionistas já deverão ter recebido este mês os aumentos relativos à indexação. Olhos postos nas contas bancárias que ficaram um pouco mais recheadas esta semana. Salários e pensões sobem 2,5%. Para a próxima indexação será preciso esperar: só deverá chegar daqui a ano e meio.