Escolha as suas informações

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise
Economia 2 min. 18.03.2020

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise

Foto: Guy Jallay
Economia 2 min. 18.03.2020

Governo luxemburguês adianta meio milhão de euros a empresas afetadas pela crise

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
O ministro das Finanças deverá apresentar um pacote de medidas para ajudar as empresas a sobreviver neste tsunami económico provocada pela pandemia de Covid – 19 . As bolsas estão a descer a pique na última semana.

 O apoio às empresas, afetadas pela crise do Covid – 19, pode chegar aos 500 mil euros para cada empresa. O financiamento às empresas em dificuldade vai, assim, duplicar, relativamente ao inicialmente previsto. 

O conselho de ministros deverá, ainda, decidir “quais são os setores que vão beneficiar desta ajuda excecional”. Porque a crise “começou pelo turismo mas vai abranger muitos sectores da economia”, acrescenta. Para responder à crise que está a afetar as empresas, o “Governo optou por um projeto de lei para dar liquidez às Pequenas e Médias Empresas (PME’s) através de um adiantamento recuperável”, declarou ao Contacto.

As empresas afetadas “poderão ainda pedir o desemprego parcial”, o que significa que 80% do salário dos trabalhadores abrangidos é assegurado pelo Estado.

Prejuízos de milhões

Só o setor da hotelaria e restauração deverá ter um prejuízo de 120 milhões de euros por mês no Luxemburgo. Em causa está o encerramento ao público dos espaços comerciais não essenciais. A medida abrange 14.000 trabalhadores.

O secretário-geral da federação que representa o ramo da hotelaria e da restauração, François Koepp, reconheceu, em declarações à Rá dio Latina que “o Executivo não teve escolha” e disse compreender a decisão, embora admita que se trata de “medidas muito graves para o setor”, que poderão “colocar em perigo um grande número de empresas que não têm os meios financeiros necessários para fazer face à situação”.

“O sector do turismo foi o primeiro a ser afetado por esta crise, mas é muito difícil avaliar o impato porque tudo dependerá da sua duração” afirmou em declarações ao Contacto a chefe de gabinete do Ministro das Classes Médias e do Turismo.

Poderemos entrar em recessão? “Tudo depende da duração deste período excecional, mas é muito dificil prever o estado da economia dentro de dois ou três meses. Temos que avaliar dia a dia”, acrescenta Françoise Schlink.

“Choque” na economia do Luxemburgo

Se o cenário de recessão global se confirmar “o choque da economia luxemburguesa será comparável ao choque negativo da crise das dívidas soberanas da zona euro, de 2012/2013” alertou o STATEC.

Caso se confirme a hipótese de uma recessão global nos primeiros seis meses deste ano, como prevê a Oxford Economics, deveremos assistir a um cenário de “forte baixa no comércio mundial, quebra no investimento e nos mercados bolsistas e uma grave crise agravada pelo espalhar do novo vírus”. O alerta é feito pelo Organismo de Estatísticas do Luxemburgo (STATEC) numa nota emitida esta segunda-feira.

Se este cenário se confirmar “o choque da economia luxemburguesa será comparável ao choque negativo da crise das dívidas soberanas da zona euro, de 2012/2013” alerta o STATEC. Neste caso o crescimento do PIB luxemburguês “deverá cair para 0,7% em 2020 e 1,7% em 2021, um choque amplificado por uma quebra superior a 10% dos indicadores dos mercados bolsistas”.

O clima económico já não era dos melhores. “A epidemia do coronavírus surge num contexto conjuntural já dominado por um abrandamento da economia, quase generalizado, à escala mundial”, pode ler-se no relatório. 


Notícias relacionadas

Ainda vai ter de esperar pela próxima indexação
Os trabalhadores e pensionistas já deverão ter recebido este mês os aumentos relativos à indexação. Olhos postos nas contas bancárias que ficaram um pouco mais recheadas esta semana. Salários e pensões sobem 2,5%. Para a próxima indexação será preciso esperar: só deverá chegar daqui a ano e meio.
STATEC: Emprego no sector financeiro cresce 3,1%
A praça financeira luxemburguesa emprega atualmente 46.800 pessoas, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (STATEC), referentes ao primeiro trimestre deste ano. O número traduz um crescimento de 3,1%, face a igual período de 2016.
STATEC: Economia luxemburguesa cresce 4,2%
A economia luxemburguesa cresceu 4,2% no ano passado. E não foi só a procura interna o motor do crescimento: de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas do Luxemburgo (STATEC) houve um equilíbrio maior entre a procura interna e externa.
Em 2015: Falências aumentaram no Luxemburgo
O número tinha sido avançado em Janeiro pela instituição alemã Creditreform mas, só agora, foi oficialmente confirmado pela Secretária de Estado da Economia, Francine Closener. No ano passado, 873 empresas declararam falência no Luxemburgo, um aumento de 3,3% face a 2014.