Escolha as suas informações

Governo aprova apoio para empresas mais afetadas pela crise energética
Economia 24.01.2023
Guerra na Ucrânia

Governo aprova apoio para empresas mais afetadas pela crise energética

Guerra na Ucrânia

Governo aprova apoio para empresas mais afetadas pela crise energética

Foto: Pierre Matgé/Luxemburger Wort
Economia 24.01.2023
Guerra na Ucrânia

Governo aprova apoio para empresas mais afetadas pela crise energética

Redação
Redação
O Executivo luxemburguês vai destinar dois milhões de euros por grupo empresarial para as firmas mais atingidas pelo aumento dos preços da energia, resultante da guerra na Ucrânia.

O Governo luxemburguês aprovou na sexta-feira passada, na reunião de Conselho de Ministros o projeto de lei que determina a criação de um regime de ajuda às empresas particularmente atingidas pelo aumento dos preços da energia causado pela guerra na Ucrânia.

A lei agora adotada prevê que sejam destinados dois milhões de euros por grupo empresarial para compensar a subida dos custos energéticos.

"Este projeto de lei visa, em conformidade com as disposições do quadro de crise temporária da Comissão Europeia, aumentar o montante máximo da ajuda para dois milhões de euros por grupo para compensar parte dos custos adicionais do gás natural e da eletricidade para as empresas", especifica o comunicado do Governo.


Preços de energia caem, mas faturas dos consumidores continuam altas
"Impostos", "aumento dos custos de transporte", "mão de obra" são custos adicionais que as empresas fornecedoras de energia estão a imputar na conta final que chega ao consumidor.

Segundo a informação disponibilizada, as empresas que podem beneficiar desta ajuda terão de ter tido um consumo de produtos energéticos e de eletricidade num valor que corresponda a pelo menos 2% do volume de negócios (ou do valor de produção) da empresa no mês em apreciação. 

Este apoio aplica-se ao período decorrido entre outubro de 2022 e junho de 2023.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas