Escolha as suas informações

Gazprom mantém o gasoduto crucial para a Europa fechado
Economia 5 min. 03.09.2022
Guerra da energia

Gazprom mantém o gasoduto crucial para a Europa fechado

Guerra da energia

Gazprom mantém o gasoduto crucial para a Europa fechado

Foto: Stefan Sauer/dpa
Economia 5 min. 03.09.2022
Guerra da energia

Gazprom mantém o gasoduto crucial para a Europa fechado

Bloomberg
Bloomberg
A reabertura do gasoduto estava prevista para sábado, após a manutenção. Mas numa mudança de última hora, a empresa disse que tinha sido encontrado um problema técnico e que o gasoduto não poderia voltar a funcionar até ser reparado.

A Gazprom PJSC da Rússia disse que o seu gasoduto para a Europa não reabrirá como planeado, ameaçando a região de um racionamento e de uma recessão severa. 

A reabertura do gasoduto estava prevista para sábado, após a manutenção. Mas numa mudança de última hora, a empresa disse que tinha sido encontrado um problema técnico e que o gasoduto não poderia voltar a funcionar até ser reparado. A União Europeia disse que a Gazprom estava a agir com base em "fingimentos falaciosos", e a Siemens Energy, que fabrica as turbinas do gasoduto, disse que o que a Gazprom tinha encontrado não justificava o corte do gás. 

É um duro golpe para a Europa, que se esforça por acabar com a sua dependência do gás russo antes do Inverno e tem estado à espera dos próximos passos de Moscovo na guerra da energia. À medida que o continente tenta implementar medidas para passar o Inverno, o encerramento indefinido do gasoduto é uma escalada que ameaça mais tumultos económicos. "Este anúncio é apenas mais uma indicação de que entre 'questões técnicas' e 'desacordos contratuais', um Inverno com zero gás russo é o cenário central para a Europa", disse Simone Tagliapietra no think-tank Bruegel em Bruxelas. "Putin procura atingir a Europa onde mais dói". Com preços quatro vezes superiores aos de há um ano atrás, a crise do gás já está a forçar o encerramento da indústria europeia e a minar o euro. 

A Gazprom disse que foi detectada uma fuga de petróleo numa turbina a gás que ajuda a bombear gás para a ligação, e não há indicação de quanto tempo poderá demorar a sua reparação. Fugas de petróleo semelhantes foram detectadas anteriormente em algumas outras turbinas, que estão agora fora de acção, e "a eliminação completa de fugas de petróleo nestas turbinas só é possível nas condições de uma empresa de reparação especializada", afirmou a Gazprom. Horas antes, o G7 disse que planeava implementar um preço máximo nas compras globais de petróleo russo. A Europa tem vindo a construir o seu armazenamento, adaptando-se à realidade dos baixos fluxos russos. 


O ministro da Energia, Claude Turmes, e o primeiro-ministro, Xavier Bettel pedem medidas urgentes europeias para a crise energética.
Assegurar o gás e a eletricidade são as grandes preocupações de Bettel
O abastecimento energético “não pode ser posto em causa”, diz o primeiro-ministro realçando que o país “não pode resolver a crise sozinho”. A solução é europeia.

No entanto, a situação pode piorar muito quando as reservas diminuem, especialmente mais perto do final da estação de aquecimento - ou se a Europa tiver uma forte onda de frio. "Devemos atingir 90-95% do armazenamento até ao Inverno, de modo a estarmos numa posição muito melhor, mas claramente isso não é suficiente, e vai continuar a ser um ambiente desafiante", disse Amos Hochstein, o coordenador presidencial especial dos EUA para infra-estruturas globais e segurança energética, à Bloomberg Television sexta-feira à tarde. 

Ele disse que os EUA iriam dar prioridade à Europa para as vendas de GNL. "Se obtivermos um Inverno médio, devemos estar bem com o nível de armazenamento que a Europa tem sido capaz de construir, bem como a sua redução da procura", disse Hochstein. "Mas se ficar mais frio, obviamente teremos de fazer mais e garantir que estamos preparados para isso". A Gazprom disse que a Siemens - que fabrica as turbinas - tinha confirmado a fuga e precisava de fazer reparações fora do local. Mas a Siemens Energy disse que as fugas citadas pela Gazprom não são uma razão para parar o fluxo de gás. 

Não houve qualquer comentário imediato por parte do Kremlin. 


Energia. Metsola defende intervenção conjunta na UE sobre preços
A presidente do Parlamento Europeu considera que UE já está “demasiado atrasada” na preparação do próximo inverno, relativamente ao eventual corte no abastecimento energético russo.

A escalada dramática da crise energética na Europa surge precisamente quando os preços estavam a diminuir. Se o encerramento persistir, coloca as famílias, fábricas e economias em perigo, enfraquecendo a mão da Europa ao apoiar a Ucrânia na guerra contra a Rússia. Moscovo já reduziu drasticamente as entregas de gás ao longo de vários meses. Fontes do Kremlin disseram que Moscovo está a utilizar os cortes nos fornecimentos para aumentar o calor político sobre os líderes europeus, num esforço para os forçar a reconsiderar o seu apoio a Kyiv. A paragem total da Nord Stream, que corre sob o Mar Báltico para a Alemanha, deixaria apenas duas rotas principais de fornecimento de gás à União Europeia: uma via Ucrânia e a TurkStream através do Mar Negro. Os fluxos através da Ucrânia também foram travados, enquanto a TurkStream para o sul da Europa está a funcionar sem interrupções. 

A Alemanha, que durante décadas construiu uma dependência de gás russo barato, está agora a tentar reequipar a sua política energética em apenas algumas semanas para proteger a sua economia de energia. O ministro da Economia Robert Habeck disse esta semana que o país não pode de modo algum contar com a Rússia para o gás. "Já vimos a falta de fiabilidade da Rússia nas últimas semanas e, consequentemente, continuámos inabalável e consistentemente as nossas medidas para reforçar a independência das importações russas de energia", disse o Ministro da Economia no final da sexta-feira. A segurança do abastecimento está garantida, disse o ministério. 

 A UE está a considerar intervenções sem precedentes no mercado energético, incluindo limites máximos de preços, redução da procura de energia e impostos inesperados sobre os lucros. Estas discussões ajudaram a fazer baixar os preços esta semana. O Europa tem também procurado preparar-se para o risco de um corte de gás russo, reabastecendo as reservas e garantindo abastecimentos alternativos, como o gás natural liquefeito dos EUA. Este é ainda um trabalho em curso. "O abastecimento é difícil de conseguir, e torna-se cada vez mais difícil substituir cada pedaço de gás que não vem da Rússia. Quando o tempo arrefece e a procura começa a aumentar no Inverno na Europa, o gás é cada vez mais difícil de substituir.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas