Escolha as suas informações

Gás. Horeca acredita que vai ter de reduzir atividade ou fechar no inverno
Economia 2 19.09.2022
Energia

Gás. Horeca acredita que vai ter de reduzir atividade ou fechar no inverno

Energia

Gás. Horeca acredita que vai ter de reduzir atividade ou fechar no inverno

Foto: Anouk Antony
Economia 2 19.09.2022
Energia

Gás. Horeca acredita que vai ter de reduzir atividade ou fechar no inverno

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Num questionário feito aos empresários do setor, a maioria dos inquiridos admitiu ser "forte" ou "muito forte" a possibilidade de ter de diminuir o seu funcionamento ou fechar.

A Horesca realizou recentemente um inquérito a 71 estabelecimentos luxemburgueses sobre a confiança dos empresários do setor da Horeca face à conjuntura atual de subida dos preços, em particular dos da energia. E, depois de dois anos de pandemia, as preocupações voltam a pairar no horizonte dos responsáveis dos estabelecimentos de restauração e hotelaria. 


Setor da Horeca sem funcionários. "Saíram do Luxemburgo"
O país deixou de ser atrativo para os trabalhadores, sobretudo, devido ao aumento generalizado do custo de vida.

No inquérito, cujos resultados foram divulgados este fim de semana no Facebook da federação, a maioria admite mesmo reduzir a atividade ou ter de fechar durante os meses mais frios.

Questionados sobre se no contexto da crise do gás acreditam que deverão vir a reduzir "fortemente" a sua atividade ou mesmo fechar durante o outono e o inverno, 48% respondeu que essa possibilidade é "forte" e 15% disse ser "muito forte". Mais de 60% (63%) mostra-se assim pessimista face aos próximos meses.

Em contrapartida, 36% manifestam-se confiantes de que os efeitos da crise energética não terão um impacto tão forte nos seus negócios: 18% consideram haver uma possibilidade "menos forte" e outros 18% uma possibilidade "pouco" forte de virem a ter de reduzir a sua atividade ou fechar durante as próximas estações.

O aumento dos custos energéticos é, de resto, apontado como um dos principais desafios para o setor, preocupando 17% dos inquiridos.


Tripartida. Governo propõe limite máximo dos preços da energia
Governo, patronato e sindicatos voltam a reunir-se esta segunda-feira, no castelo de Senningen, para discutir as medidas de apoio às famílias e às empresas.

Segundo o questionário da Horesca, os custos com pessoal (18%), a subida dos bens alimentares (19%), a falta de pessoal (15%) e a redução da faturação devido à contenção no consumo (13%) são outros dos fatores que, neste momento, mais apreensão causam aos empresários da hotelaria e restauração. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas